Negócios

Pepsi deixa a Zona Franca de Manaus após mudança de tributação

Governo Federal alterou alíquota do IPI para 4% a partir de 2020; outras empresas de refrigerante também podem sair nos próximos meses

Pepsi deixa a Zona Franca de Manaus após mudança de tributação

Unidade tinha cerca de 100 funcionários, entre linha de produção e cargos administrativos

A Pepsi informou nesta semana o fechamento da sua fábrica de xarope e concentrados na Zona Franca de Manaus. A unidade empregava 57 funcionários, entre linha de produção e cargos administrativos. Em nota a PepsiCo informou que o encerramento das atividades em Manaus não afetará outras unidades da empresa.

“Tomamos a difícil decisão de fechar nossa unidade de fabricação de concentrados em Manaus (AM), com o objetivo de administrar eficientemente nossas operações em todo o Brasil e posicionar a empresa para um crescimento de longo prazo. Essa decisão não afeta outras operações da PepsiCo no país.”

A decisão ocorre meses depois de o Governo Federal mudar o taxação IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) das companhias de refrigerante instaladas na Zona Franca de Manaus. As empresas pagavam alíquota de 20%, porém, o índice foi reduzido para 4% para bancar os subsídios do óleo prometidos para encerrar a greve dos caminhoneiros.

O governo Temer anunciou a mudança em maio e a reverteu em setembro. A ação foi feita depois da pressão de diversas empresas do ramo, entre elas o grupo Coca-Cola, que ameaçaram deixar a região. No primeiro trimestre de 2019, o índice será de 12%, e no segundo, 8%. Para 2020 está previsto em 4% novamente.