Semana

Pela liberdade de impostos

Pela liberdade de impostos

Impostômetro: carga tributária impede crescimento

Tributação

Dizer que a carga tributária brasileira sufoca os empreendedores e convida à sonegação é nada mais que constatar o óbvio. Entre os dias 4 e 6 de junho, várias iniciativas foram coordenadas por entidades em todo o País para demonstrar na prática o quanto os impostos encarecem os produtos e serviços e pesam no bolso do consumidor. A montadora GM divulgou uma campanha mostrando quanto um carro custaria sem não houvesse tributações ao longo da cadeia produtiva. Na capital paulista, a Semana de Liberdade de Impostos foi promovida pelo IFL-SP (Instituto de Formação de Líderes de São Paulo), e teve adesão de um posto de gasolina, dois restaurantes e uma lavanderia. Cada estabelecimento baixou o preço de seus produtos em torno de 30%, esclarecendo que aquele seria o preço final livre de PIS, Cofins, ICMS, IPI e outros encargos. A iniciativa das empresas e entidades coincide com a movimentação no Congresso para agilizar a reforma tributária e com as manifestacões do ministro da Economia, Paulo Guedes, de reduzir impostos, acabar com deduções e unificar as contribuições federais.

 

Pirataria

MPF investiga venda de aparelho que rouba sinal de TV paga

O Ministério Público Federal (MPF) abriu inquérito contra a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para verificar possível negligência na fiscalização da venda de aparelho que pirateia sinais de TV paga. O produto, popularmente conhecido como “gatonet”, estava disponível na rede Carrefour. Segundo a ABTA (Associação Brasileira de Televisão por Assinatura), o setor de TV paga perde de R$ 9 bilhões por ano com pirataria. A Anatel afirma que já orientou o varejista a não vender itens não homologados.

 

Dívida pública

Plano de socorro aos estados chega à Câmara

Elaborado pelo secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, o Plano de Equilíbrio Fiscal (PEF) foi enviado à Câmara na terça-feira 4. Ele tem como objetivo socorrer estados falidos e sem condições de contrair novos empréstimos. O Tesouro propõe um cardápio de oito opções de ajuste fiscal para que a unidade federativa escolha três. A alternativa mais interessante cria uma “unidade de tesouraria” que centraliza a contabilidade dos três poderes e impõe um teto unificado de gastos. Atualmente, a independência orçamentária preserva Legislativo e Judiciário dos cortes, deixando toda a contenção para o Executivo. A centralização acabaria com a manobra e inibiria os outros poderes de queimarem dinheiro público como se não houvesse amanhã.

 

Economia criativa

Jay-Z, o unicórnio do hip hop

O músico Jay-Z se tornou o primeiro astro do hip hop a acumular fortuna de US$ 1 bilhão, segundo reportou a revista Forbes. Além de ter gravado 14 álbuns muito bem sucedidos e vencido 22 Grammys, ele se tornou um dos produtores mais requisitados da música pop americana. No cálculo da fortuna entrou o catálogo do selo musical do músico (Def Jam Recordings), sua agência de jogadores da MBA, investimentos em aplicativos (ele tem US$ 70 milhões apenas no Uber) e as propriedades em Los Angeles e Nova York. O unicórnio Jay-Z é casado com a escultural Beyoncè, que tem uma fortuna pessoal estimada em US$ 355 milhões.

 

Velozes e furiosos

Bolsonaro entrega projeto que muda regras da CNH

Na terça-feira 4, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) entregou pessoalmente ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, o projeto de lei que muda as regras da Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Entre as principais alterações propostas está a ampliação da validade da carteira de cinco para 10 anos e o aumento de 20 para 40 pontos para a suspensão do documento. O governo alega que a expectativa de vida do brasileiro aumentou e que o sistema de punição tem se mostrado ineficaz. Para entrar em vigor, o projeto precisa ser aprovado em plenário pela Câmara e Senado.

 

Educação

A escolinha liberal

Caminho suave: ilustração do livro O Rei dos Churros: anti-esquerda

Criado em 2016, o Instituto Liberdade e Justiça (IJL) busca na educação uma forma de popularizar o liberalismo. A série de livros “Turminha da Liberdade”, para crianças de sete a 12 anos, coordenada pelo fundador e presidente da ONG, Giuliano Miotto, traz histórias de empreendedorismo e meritocracia. Segundo ele, o IJL pretende apresentar uma alternativa às ideias de esquerda que monopolizam o ensino brasileiro. O primeiro lançamento, O Rei dos Churros, saiu esta semana. Giuliano Miotto falou à DINHEIRO.

A literatura infantil pode ser uma força importante na formação de liberais?
Desenvolvemos a “Turminha da Liberdade” por acreditar que o hardware do brasileiro é um dos melhores do mundo. Somos um povo trabalhador, criativo e empreendedor, mas nosso software não é muito bom. Dependemos demais do Estado, temos uma das piores educações do mundo segundo o PISA (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes) e uma mentalidade muito coletivista. Acreditamos em uma educação com valores e princípios que mudem essa realidade. No caso da “Turminha”, nossos pilares são: responsabilidade individual, autoestima e produtividade.

No Brasil, a palavra liberal sempre foi associada ao conservadorismo e ao reacionarismo. Qual é a diferença?
O debate político no Brasil ainda é muito raso. Há um grupo da direita que associa os liberais à esquerda e um grupo da esquerda que coloca os liberais na conta dos conservadores. Entendo que o liberalismo está acima dessa guerra binária. Acreditamos que o Estado não deva interferir nas decisões pessoais de cada indivíduo e muito menos criar normas ou políticas que concedam privilégios para determinados grupos ou minorias.

Quais são os futuros lançamentos?
Estamos prestes a lançar o segundo livro da coleção: “Antônio e o Segredo do Universo em Breves Lições” e logo lançaremos o terceiro, que falará sobre a importância da beleza na arte. Estamos organizando um concurso nacional para professores e pedagogos para o projeto “A Turminha vai à Escola”. Vamos organizar ainda um fórum para discutir a educação. Tudo para o próximo semestre.

 

Logística

Ford cria robô que sobe escadas para fazer entregas

Em mais uma investida para se modernizar, a montadora americana Ford desenvolveu um robô autônomo que promete revolucionar as entregas em domicílio. Com pernas, braços e aparência humanoide, a máquina sobe e desce escadas para entregar encomendas de até 18 quilos. Batizado de Digit, o robô também se dobra automaticamente e pode ser transportado no porta-malas de um veículo. “As pessoas usam cada vez mais as compras on-line e os robôs são uma solução para a etapa mais difícil da entrega: o trecho final até a porta de casa”, diz Ken Washington, vice-presidente de Pesquisa e Engenharia Avançada da Ford. Muitas empresas de logística têm investido nos autômatos, mas nenhuma das máquinas desenvolvidas tem a capacidade de subir degraus. Digit foi fabricado em parceria com a startup de tecnologia Agility Robotics.

 

Números

US$ 6,4 bilhões – Foi o superávit registrado em maio pela balança comercial brasileira, segundo a Secretaria de Comércio Exterior. O valor é 5,8% maior que contabilizado no mesmo período do ano passado.

21,6% – Cresceu a venda de veículos novos em maio sobre o mesmo mês do ano passado. Segundo a Fenabrave (Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores) foram 245 mil unidades vendidas (entre caminhões, ônibus e automóveis).

39% – Dos brasileiros se declaram de “direita”, contra 28% que se dizem de “esquerda”, constatou pesquisa do Barômetro das Américas em parceria com o Ibope e a Fundação Getúlio Vargas. É a primeira vez que o número de direitistas supera a esquerda no país.

US$ 131 bilhões – Foi a queda no valor de mercado das gigantes de tecnologia – Apple, Amazon, Google e Facebook – em apenas um dia. A derrocada aconteceu depois que Justiça americana sinalizou que pode investigar a concorrência desleal com empresas menores do mesmo segmento.

R$ 2 bilhões – Serão investidos este ano no Brasil pela cervejaria Ambev. A injeção é destinada à produção de cervejas Premium e puro malte.