Edição nº 1048 08.12 Ver ediçõs anteriores

Peixe dos descontos

Peixe dos descontos

Os sites de compras coletivas Peixe Urbano e Groupon Brasil anunciaram, na segunda-feira 27, que estão realizando uma fusão de seus negócios. A partir de agora, as operações serão unidas de forma gradual. Em um primeiro momento, a ideia é que as páginas passem a oferecer para seus clientes os mesmos produtos e serviços, unindo as tradicionais ofertas de beleza e viagens do Groupon com descontos em serviços de gastronomia e entretenimento comumente encontrados no Peixe Urbano, que pertencia ao chinês Baidu. A união vai também permitir que o Groupon utilize a tecnologia do aplicativo de seu antigo concorrente para a validação dos vouchers de forma instantânea. A negociação foi conduzida pelo fundo de investimento latino-americano Mountain Nazca, que comanda a operação do Groupon na América Latina.

(Nota publicada na Edição 1047 da Revista Dinheiro)


Mais posts

A tacada de US$ 82 mi na Movile

O fundo de investimentos sul-africano Naspers e o brasileiro Innova Capital estão injetando mais US$ 82 milhões na operação da Movile, [...]

Resposta instantânea

Cynthia Bianco, presidente da MicroStrategy no Brasil, empresa que atua com softwares de análise de dados

Realidade virtual cara

A Sony anunciou a chegada do dispositivo de realidade virtual PlayStation VR ao Brasil. O gadget é composto por um visor, uma câmera e [...]

Som na caixa … e na internet

(Nota publicada na Edição 1048 da Revista Dinheiro)

Tencent quer fatia do Spotify

Maior empresa digital da China, com valor de mercado de US$ 468 bilhões, a Tencent está de olho na sueca Spotify, comandada por Daniel [...]
Ver mais

Copyright © 2017 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.