Giro

Pedro Sánchez e Pablo Iglesias, cinco anos de amor e ódio na esquerda espanhola

Pedro Sánchez e Pablo Iglesias, cinco anos de amor e ódio na esquerda espanhola

Sánchez (e) e Iglesias trocam documentos em Madri após anunciarem o acordo - AFP

Os líderes dos dois partidos de esquerda espanhóis – Pedro Sánchez, do PSOE, e Pablo Iglesias, do Podemos – mantêm cinco anos de um tumultuado relacionamento, que passou de insulto, zombaria e desconfiança a um pré-acordo de coalizão do governo.

A “casta” e o “populismo”:

Numa Espanha farta de crise e de corrupção, a esquerda radical do Podemos gerou furor ao nascer em 2014 com seu programa anti-austeridade e sua luta contra a “casta” na qual incluía o Partido Popular do então conservador chefe de governo Mariano Rajoy e o PSOE.

Com seu chamativo cabelo comprido preso num rabo de cavalo, Pablo Iglesias atacava os socialistas e seu então novo líder, Pedro Sánchez, classificando-o inclusive de “loser” (perdedor).

Por sua parte, Sánchez definia seu novo rival como “populista” e descartava acordos: “Nem antes nem depois o partido socialista vai pactuar com o populismo (…) O final do populismo é a Venezuela de Chávez”.

“O sorriso do destino”:

Nas eleições legislativas de dezembro de 2015, o Podemos entrou como uma terceira força no Congresso, mas ficou bem próximo de superar o PSOE, que colheu os piores resultados de sua história (agravado posteriormente em 2016).

Iglesias ofereceu um governo de coalizão com ele como vice-presidente de Sánchez, avisando-o de que não estava em posição de estabelecer condições.

“A possibilidade histórica de ser presidente é um sorriso do destino pelo qual ele deve ser grato para sempre”, afirmou, zombando.

O líder socialista fecha um acordo com o novo partido liberal Cidadãos. Podemos se opõe, precipitando o fracasso da chapa e novas eleições em junho de 2016, nas quais volta a ficar atrás do PSOE.

O idílio:

“Errei ao taxar o Podemos de populistas”: é outubro de 2016 e Pedro Sánchez ajusta seu discurso contra a esquerda radical numa entrevista na qual ele também reconheceu pressões para não concordar com elas.

O socialista acaba afastado da liderança de seu partido por conta de uma rebelião interna que queria, ao contrário de Sánchez, facilitar a posse de Rajoy e evitar uma terceira eleição.

Sánchez reconquistou o partido nas primárias e reforçou sua colaboração com o Podemos, com quem se aliou numa moção de censura em junho de 2018 para desbancar Rajoy.

O líder socialista abraçou no Congresso com Iglesias, que foi fundamental para obter apoio suficiente dos partidos de independência catalães.

No Congresso, o líder socialista se uniu a Iglesias, que foi fundamental para conquistar o apoio dos partidos separatistas catalães.

Em fevereiro, a imagem do entendimento seria reeditada com a assinatura dos orçamentos de 2019, que incluíam melhorias sociais significativas, mas foram derrubadas pelos separatistas, levando às eleições de abril.

A insônia:

Sánchez vence as eleições e é feito um acordo com o Podemos, a quem o líder socialista havia colocado como “parceiro preferido”.

Mas os contatos não fluem: o Podemos exige um governo de coalizão para fazer com que os socialistas cumpram suas promessas e Sanchez vete Iglesias dentro de seu governo.

Em julho, uma negociação precipitada com vazamentos constantes para a imprensa termina na fracassada posse de Sánchez.

“Somos uma formação jovem, mas não vamos nos deixar humilhar”, disse Iglesias durante o debate.

Em setembro, já de olho nas novas eleições de novembro, Sánchez explicou numa entrevista por que não queria o ministro do Podemos em seu governo.

“Ele seria um presidente de governo que não iria dormir à noite junto com 95% dos cidadãos deste país que também não se sentiriam tranquilos”, declarou.

A pré-coalizão:

Sorrisos, apertos de mãos, agradecimentos e um abraço: as divergências pareciam superadas nesta terça-feira (12) quando os dois líderes anunciaram um pré-acordo de coalizão de governo, dois dias após as eleições de domingo marcadas pelo crescimento da extrema-direita.

“É hora de deixar para trás qualquer diferença”, disse Iglesias. A ilusão pelo projeto “supera qualquer tipo de divergência que possamos ter nos últimos meses”, acrescentou Sánchez.

Com a paz firmada, devem a posse que requer ainda o apoio de outras forças.