Edição nº 1130 19.07 Ver ediçõs anteriores

Pausa para os comerciais

Pausa para os comerciais

A Netflix está avaliando a veiculação de anúncios comerciais durante a sua programação. De acordo com o site americano Ars Technica, a prática seria uma forma de incentivar os usuários do serviço a consumirem mais conteúdo produzido pela própria plataforma, como os seriados House of Cards e Narcos. Ao site americano Business Insider, a empresa de Reed Hastings confirmou a prática, mas salientou que se trata apenas de um teste e que as propagandas, que seriam exibidas no fim de um filme ou episódio de uma série, podem ser ignoradas. De qualquer forma, a notícia não foi bem recebida no mercado. Na sexta-feira 17, o serviço de streaming viu seu valor de mercado cair para US$ 143 bilhões, o menor desde o começo de março.

(Nota publicada na Edição 1084 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Fim da fila em empreendedorismo feminino

São Paulo, única cidade brasileira no ranking das 50 cidades mais promissoras para o empreendedorismo feminino, ocupa o fim da fila no [...]

1,025 bilhão

Número de downloads feitos em aparelhos Android do game Subway Surfers. É o app de jogos mais baixado (Nota publicada na Edição 1130 da [...]

Toys “R” us volta tecnológica e e imersiva

Uma virada e tanto. Nada menos que isso. A Toys “R” Us, icônica rede varejista de brinquedos americana que faliu no ano [...]

Google e Facebook entram na lista de veículos de comunicação

Google, Facebook e suas plataformas coligadas, como YouTube e Instagram, passaram a ser classificados como veículos de comunicação. A [...]

Bill Gates revela o segredo de Steve Jobs: feitiços

Bill Gates soltou a língua. Há duas semanas resolveu dizer numa entrevista qual foi o maior de todos os erros que cometeu na carreira [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.