Edição nº 1096 15.11 Ver ediçõs anteriores

Pausa para os comerciais

Pausa para os comerciais

A Netflix está avaliando a veiculação de anúncios comerciais durante a sua programação. De acordo com o site americano Ars Technica, a prática seria uma forma de incentivar os usuários do serviço a consumirem mais conteúdo produzido pela própria plataforma, como os seriados House of Cards e Narcos. Ao site americano Business Insider, a empresa de Reed Hastings confirmou a prática, mas salientou que se trata apenas de um teste e que as propagandas, que seriam exibidas no fim de um filme ou episódio de uma série, podem ser ignoradas. De qualquer forma, a notícia não foi bem recebida no mercado. Na sexta-feira 17, o serviço de streaming viu seu valor de mercado cair para US$ 143 bilhões, o menor desde o começo de março.

(Nota publicada na Edição 1084 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O mea culpa do Google

Demorou, mas o Vale do Silício parece estar finalmente tomando atitudes mais rigorosas em relação a casos de assédio. O CEO do Google, [...]

Do console à nuvem

(Nota publicada na Edição 1096 da Revista Dinheiro)

Começo promissor

A startup brasileira Olho do Dono foi considerada a mais promissora do continente na primeira edição TechCrunch Battlefield com [...]

A Ameaça alemã ao Tesla

A Volkswagen quer competir de frente com a Tesla, fabricante americana de automóveis elétricos. A empresa alemã pretende discutir um [...]

1,455 bilhão

É a queantia de smartphones serão vendidos no mundo em 2018, queda de 0,7% sobre 2017. mas a curva voltará a subir. estima-se 1,646 bilhão de aparelhos em 2022. (Nota publicada na Edição 1096 da Revista Dinheiro)

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.