Giro

Partido norte-irlandês tem a chave para acordo sobre Brexit

Partido norte-irlandês tem a chave para acordo sobre Brexit

Foto tirada em 11 de outubro de 2019 mostra a bandeira do Reino Unido e da União Europeia acenando para fora na sede da UE em Bruxelas em 11 de outubro de 2019 para uma reunião com os embaixadores da UE. - AFP

O ultraconservador Partido Unionista Democrático (DUP) da Irlanda do Norte, que rejeita o acordo alcançado nesta quinta-feira (17) entre o Reino Unido e a União Europeia (UE) para um Brexit, é uma sigla nanica com muito peso e que, com sua intransigência, pode derrubar esta nova saída negociada.

Eurocético desde sempre, o DUP votou a favor do Brexit, ao contrário da população norte-irlandesa que se opôs a ele, com 56%. Com apenas dez deputados, o partido mostrou que tem a chave para um divórcio da União Europeia.

Em março passado, provocou o enterro do acordo negociado pela ex-primeira-ministra Theresa May e levou à sua renúncia.

Apesar da ameaça de um divórcio sem acordo dentro de duas semanas, continua negando as propostas do governo britânico. Nesta quinta, aplicou um duro golpe no premiê Boris Johnson, negando-se a apoiar o acordo fechado com Bruxelas. Isso complica bastante a tarefa de adoção do texto por parte do Parlamento britânico.

Os deputados do partido unionista se opõem totalmente ao chamado “backstop” (salvaguarda), um mecanismo previsto no acordo de retirada da UE que manteria o Reino Unido na união aduaneira com a UE e por meio do qual a Irlanda do Norte estará mais alinhada com as normas do bloco.

Este mecanismo busca evitar a reintrodução de uma fronteira física entre Irlanda, um país da UE, e a província britânica, assim como preservar o acordo de paz da Sexta-Feira Santa, de 1998.

O DUP teme que a Irlanda do Norte termine tendo um tratamento diferenciado em relação ao restante do Reino Unido e até mesmo que avance para uma reunificação com a Irlanda, seu pior pesadelo.

Boris Johnson fez grandes esforços para dissipar estes temores, chegando a prometer um “New deal” econômico para a província.

O DUP é a única legenda norte-irlandesa em Westminster. Os deputados do Sinn Fein, partidários de uma Irlanda unida, negam-se a estar no Parlamento, porque consideram-no uma instituição ilegítima.

Por isso, os dez deputados do DUP são um apoio indispensável para que Johnson possa ter a maioria perdida. O primeiro-ministro luta também, voto a voto, para convencer os cerca de 50 parlamentares do partido conservador da linha dura do Brexit.

– Ultraconservador –

Criado em 1971 em pleno conflito norte-irlandês pelo pastor fundamentalista Ian Paisley, o DUP se opõe ao aborto, proibido na Irlanda do Norte (salvo em caso de risco de morte para a mãe), e ao casamento homossexual, autorizado no restante de Reino Unido e na Irlanda.

Vários membros do DUP, adeptos do criacionismo, também disseram ser favoráveis à pena de morte e puseram a mudança climática em xeque.

É liderado por Arlene Foster, conhecida por seu temperamento forte, cujo pai, um policial, recebeu um tiro na cabeça durante o conflito com a Irlanda do Norte, alvo dos paramilitares do Exército Republicano Irlandês (IRA).

A sigla perdeu terreno nas eleições regionais de 2017 em favor do Sinn Fein. Mesmo com objetivos totalmente opostos, os dois partidos são obrigados a se entender para formar um governo de coalizão, após os acordos de paz de 1998.

Com os acordos, pôs-se fim a 30 anos de um conflito entre católicos nacionalistas e protestantes unionistas que deixou mais de 3.000 mortos.

O DUP chegou a se opor a estes acordos, amplamente aprovados em um referendo. Desde então, porém, o partido protestante moderou suas posições anticatólicas.

O governo de coalizão foi rompido em janeiro de 2017, com acusações contra Arlene Foster sobre sua gestão de um programa de subvenções para energias renováveis.

Os dois partidos ainda não conseguiram entrar em um acordo para formar uma nova coalizão, de modo que Londres mantém, por enquanto, a gestão da província.