Paris Filmes está pronta para entrar em cena

Paris Filmes está pronta para entrar em cena

O empresário Sandi Adamiu, herdeiro e sócio da Paris Filmes, uma das maiores distribuidoras cinematográficas do País, gastou boa parte de seus dias de isolamento social subindo e descendo a Serra do Mar, num trajeto entre São Paulo, onde mora e trabalha, e a cidade de Parati, no litoral Sul do Rio de Janeiro. Mas não era por lazer. O objetivo do vaivém era aproveitar o período de quase lockdown para “retrofitar” o casarão colonial que abriga sua pousada – e que já foi a Casa da Moeda nos tempos do império – e planejar a nova frente de negócios da companhia.

Com cinemas fechados – que respondem por 40% das receitas estimadas em R$ 200 milhões no ano passado –, Sandi redesenhou o plano de lançar a Paris Cultural, dedicada exclusivamente à produção de peças de teatro. A estreia, em março, com a peça Silvio Santos Vem Aí, precisou ser interrompida em decorrência da pandemia. “Em vez de nos recolher na crise, decidimos acelerar os investimentos enquanto toda a economia estava praticamente paralisada”, afirmou Sandi. “Na área da hotelaria, a decisão foi expandir. Na área cultural, alterar o cronograma, mas sem abrir mão do planejamento”, disse o empresário. A persistência deu resultado.

No começo do mês, o Santander retomou a parceria de patrocínio, decisão que permitiu que a Paris Cultural, sob comando da CEO Marilia Toledo, retome a temporada de 30 apresentações a partir de fevereiro, no rooftop do paulistano Teatro JK Iguatemi. “Queremos transformar essa temporada no cartão de visitas da retomada definitiva da Paris Cultural, e consolidar a empresa como uma importante produtora de peças, assim como a Paris Filmes é para o cinema”, disse Marilia. Superada a crise do mercado, os próximos passos, segundo Sandi, serão negociar o arrendamento de uma grande sala de teatro em São Paulo, com o nome da Paris Cultural. “Com a empresa rodando, vamos atrair os investidores e as parcerias. Tudo faz parte do nosso enredo.”

(Nota publicada na edição 1199 da Revista Dinheiro)

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Mais posts

Operação Colômbia

Uma das maiores companhias brasileiras em sistemas de gestão de risco corporativo, a Luz Soluções Financeiras desembarcou na Colômbia [...]

Lotados nas férias

“Espetacular”, é como o presidente do Grupo Tauá de Hotéis, Daniel Ribeiro, define o desempenho da empresa nos últimos dois meses. [...]

Siemens não perde a esperança

De crises, economia bagunçada e política que se assemelha a um espetáculo tragicômico os italianos entendem bem. Pode ser por isso que [...]

Injeção de ânimo

Se depender da capacidade instalada da indústria brasileira, não vão faltar agulhas e seringas para a vacinação em massa contra a [...]

Otimismo à francesa

Enquanto empresas como Sony, Mercedes-Benz e Ford fecham fábricas e encerram suas operações no Brasil, um estudo da Câmara de Comércio França-Brasil (CCIFB-SP), divulgado com exclusividade à MOEDA FORTE, mostra as multinacionais francesas interessadas em ampliar suas operações no País. Para 32% dos presidentes e CEOs consultados, o mercado brasileiro está entre os três principais […]

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.