Geral

Paralisação divide caminhoneiros e sindicatos da categoria

Crédito: Tomaz Silva/Ag Brasil

Greve dos caminhoneiros em 2018 causou diversos transtornos à população e gera preocupação em relação a uma nova paralisação (Crédito: Tomaz Silva/Ag Brasil)

A possibilidade de uma nova greve dos caminhoneiros neste domingo (25) deixa os brasileiros apreensivos. Embora exista muita divergência entre as lideranças da categoria, algumas associações e sindicatos estão dispostos a uma paralisação para protestar contra o aumento no preço dos combustíveis.

A principal queixa é em relação à política de Preço de Paridade de Importação (PPI) da Petrobras, que regula o preço dos combustíveis de acordo com o mercado internacional. Em 2018, quando houve a primeira grande paralisação dos caminhoneiros, o preço do diesel era de RS$ 2,93/litro – hoje varia por volta de RS$ 4,30/litro. Naquele ano, houve desabastecimento de mercados, redução na frota de ônibus e escassez de combustíveis em todo o País.

+ CNTTL apoia greve de caminhoneiros e CNTA não orienta associados sobre adesão

+ Ferroviários da Companhia Metropolitana estão em greve em São Paulo



As entidades que representam os caminhoneiros no Brasil são difusas e regionais, o que dificulta uma mobilização em nível nacional. O Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logísticas do Estado de Minas Gerais (Setcemg) afirma “não haver clima” para uma paralisação como a de 2018, segundo a Rádio Itatiaia.

Já os transportadores autônomos da Baixada Santista decidiram apoiar a paralisação. O presidente do Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC) convoca a greve nacional, em vídeo que circula nas redes sociais. “É lamentável termos que passar humilhação para podermos trabalhar. Ninguém aguenta mais”.

Quem também apoia a greve é a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística (CNTTL) e o Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC).

Outra importante entidade da categoria, a Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores (Abrava) não irá aderir ao movimento, de acordo com seu presidente, Wallace Landim “Chorão”, um dos líderes da greve de 2018. “Consideramos justa a ação da categoria dos caminhoneiros autônomos nessa paralisação, no entanto, a Abrava não participará”, afirmou Landim ao jornal Gazeta do Povo.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago