Papo verde

Papo verde

Ornella Vilardo, gerente de sustentabilidade do Grupo Heineken.

Menos de 40% dos vidros são reciclados no Brasil. Em alumínio, o índice chega a 98%. O Grupo Heineken quer mudar essa história.

Como?
Na esfera pública com o diálogo junto ao Ministério do Meio Ambiente para melhorias na Política Nacional de Resíduos Sólidos. Hoje, a meta é por produto, como embalagens. Isso dá margens para que empresas cumpram 90% da meta com alumínio e 10% com vidro. A ideia é que o índice de reciclagem seja por materiais.

E na ponta final?
Temos o programa Volte Sempre.

Em 2019, lançamos em São Paulo, com a colocação de postos de coletas em supermercados. O cliente depositava as garrafas e recebia dinheiro de volta. Neste ano remodelamos o programa e vamos para BH.

Qual impacto?
Em São Paulo reciclamos 11,5 mil toneladas de vidro. Além de tirà-lo da natureza, a reciclagem é feita por cooperativas parceiras que recolhem e vendem o material para a indústria. Nossa ambição é trabalhar com outros parceiros para dar escala à reciclagem. O desafio é o valor. A tonelada de vidro custa R$ 120, a de alumínio, até R$ 4 mil.

+ Jaguar Land Rover: a luta contra a falta de confiança dos consumidores

(Nota publicada na edição 1201 da Revista Dinheiro)

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Sobre o autor


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.