Sustentabilidade

Papo responsável

Crédito: Divulgação

Francine Lemos, diretora executiva do Sistema B no Brasil. (Crédito: Divulgação)

O Sistema B é uma comunidade global de líderes que usam os seus negócios para a construção de um sistema econômico mais inclusivo, equitativo e regenerativo. Francine Lemos falou à coluna sobre o aumento de pedidos de certificação no Brasil.

Demanda
“Percebemos que as empresas que estão levando o tema ESG com mais seriedade querem uma diferenciação sobre quem comete greenwashing. Só no Brasil, o número de certificações aumentou 30% no ano passado. Afinal uma empresa que se autodeclara alinhada ao ESG é diferente da outra que se submete a auditorias feitas por terceiros que acompanham e medem práticas e resultados”

Critérios e Ferramentas
“O B Impact Assessment (BIA) é a nossa ferramenta de mensuração de impacto. Diferente de outras que funcionam como reporte – GRI, por exemplo –, o BIA é voltado para gestão. Foi construída e deve ser aplicada para a empresa entender onde ela está e ter clareza no que precisa avaliar para estar em conformidade”

Guia de trabalho
“Antes de entrar com o pedido de certificação no sistema B, aconselhamos a acessar o BIA e a preencher o questionário. Ele também pode ser usado como guia para empresas que estão começando a pensar no ESG. Ao responder as perguntas, a empresa terá contato com o que precisa ser feito internamente. Em uma questão, por exemplo, perguntamos qual a diferença entre o salário mais alto e o mais baixo da corporação. Se for muito discrepante, ali tem um trabalho a ser feito”

(Nota publicada na edição 1228 da Revista Dinheiro)