Giro

Papa compara profissionais da saúde vítimas do coronavírus a soldados ‘mortos no front’

Papa compara profissionais da saúde vítimas do coronavírus a soldados ‘mortos no front’

Papa Francisco se deita em oração antes de celebrar a missa da Sexta-feira Santa, na Basílica de São Pedro, no Vaticano, em 10 de abril de 2020 - POOL/AFP


“Os médicos, enfermeiros, enfermeiras, irmãs, padres” que morreram combatendo a pandemia de coronavírus “morreram no front como soldados que deram suas vidas por amor”, disse nesta sexta-feira (10) o papa Francisco à televisão Rai1.

O pontífice estimou que esses homens e mulheres se juntaram à lista dos “crucificados na História”. Ele falou por telefone em um programa dedicado à Sexta-feira Santa, que recorda a crucificação e a morte de Jesus.

Covid-19: de 19% a 35% dos casos apresentam dificuldade respiratória

Exército de costureiras se mobiliza nos EUA para equipar profissionais da saúde

“Sinto-me próximo do povo de Deus, especialmente daqueles que mais sofrem, das vítimas da pandemia, da dor do mundo”, acrescentou o papa argentino. Mas ele também disse contemplar “a esperança, que não tira a dor, mas não decepciona”.

Esta noite, à luz das tochas, o líder espiritual de 1,3 bilhão de católicos celebrará uma Via Crucis em formato reduzido na Praça de São Pedro, em Roma.

Ele será acompanhado nesta cerimônia por um grupo de cinco prisioneiros de uma prisão de Pádua e de um grupo de cinco médicos e enfermeiros do Vaticano.

Desde 1964, a Via Crucis na presença do papa acontece com milhares de fiéis ao redor do anfiteatro romano do Coliseu, sumptuosamente iluminado.