Economia

Pandemia provoca queda de 72% na abertura de empresas em SP

Crédito: Arquivo/Agência Brasil

“No comércio varejista, vestuário, calçados, tecidos, colchoaria, iluminação e linha branca reduziram fortemente a participação nas aberturas", aponta estudo (Crédito: Arquivo/Agência Brasil)


A desaceleração da economia provocada pela pandemia de covid-19 reduziu em três quartos a abertura de novas empresas e de filiais no Estado de São Paulo na comparação entre o mês de abril e os cinco primeiros dias de maio deste ano com o mesmo período do ano passado. O dado foi apurado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a partir de informações da Junta Comercial do Estado de São Paulo, publicadas semanalmente no Diário Oficial.

Segundo o texto do Ipea, Carta de Conjuntura 47 (2º trimestre), assinado pelos pesquisadores Alexandre Samy de Castro e Bruno Filomeno da Rocha, foram abertas 1.265 novas empresas e 136 novas filiais no período analisado, que correspondem ao intervalo entre a 14ª e 18ª semana do ano. Entre a 14ª e 18ª semana de 2019 foram constituídas 4.471 empresas e 496 filiais. Queda de 71,7% e 72,6%.

+ Home office é aprovado por 80% dos gestores de empresas no País
+ Empresas temem uma crise econômica duradoura, diz estudo 

Nenhum setor observado, conforme as divisões da Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE), teve aumento na criação de empresas ou abertura de filiais. O desempenho varia conforme a área de negócio. Das empresas constituídas no período observado este ano, 652 eram firmas e sociedades limitadas e 564 eram micro e pequenas empresas.

“No comércio varejista, vestuário, calçados, tecidos, colchoaria, iluminação e linha branca reduziram fortemente a participação nas aberturas, enquanto equipamentos de informática, telefonia e comunicações e gás liquefeito de petróleo (GLP) aumentaram. Nas atividades de serviços de escritório, a organização de eventos perdeu participação para serviços de escritório e apoio administrativo. No comércio atacadista, máquinas, aparelhos e equipamentos, exceto de tecnologias de informação e comunicação, perderam para outros segmentos, como o de alimentos e insumos agropecuários. Nos transportes terrestres, o segmento de passageiros apresentou uma forte queda, em contraste com o segmento de cargas, com uma forte alta”, descreve a Carta de Conjuntura

Cancelamento de empresas

O Ipea também observou queda abrupta nos números de cancelamento de empresas (menos 92,6%) entre a 14ª e 18ª semana de 2019 e o mesmo intervalo em 2020. Conforme o instituto, nesse período no ano passado foram encerradas 1.491 empresas. Neste ano, 111 empresas.

O dado, no entanto, não é indicativo de maior sobrevivência de empresas. “A aparente queda na mortalidade deve ser interpretada com cautela, pois o cancelamento de uma empresa, além de resultar em custos contábeis/administrativos imediatos, pode produzir também consequências para o sócio ou empresário, do ponto de vista tributário e de responsabilização da pessoa física, por conta de passivos diversos em aberto. Esses fatores ganham importância num contexto de restrições extremas de caixa”, assinala a publicação.

Por fim, os autores alertam para o que chamam de “cenário econômico tão desafiador” e as baixas expectativas de retomada. “Vale frisar que esta crise econômica, cuja matriz é exógena e de caráter imprevisível (a trajetória da epidemia), reúne no Brasil um conjunto de riscos internos e externos, em um autêntico pot-pourri de problemas observados no passado operando simultaneamente no presente: risco de crédito, risco cambial, risco fiscal, risco político-institucional e federativo, risco de termos de troca, incerteza de demanda interna e externa, riscos geopolíticos e, por fim, mas não menos importante, risco regulatório e insegurança jurídica.”