Pandemia da telemedicina

Maior empresa de telemedicina do planeta, a americana Teladoc aposta todas as suas fichas no Brasil – o novo epicentro da Covid-19 no mundo. Com operação em 175 países e valor de mercado de US$ 14 bilhões, a companhia está ampliando seus serviços para o consumidor final, não apenas para profissionais da saúde. “A pandemia acelerou a necessidade da transformação digital em todos os mercados e na saúde não seria diferente”, afirma Jean Marc Nieto, que comanda a empresa no Brasil. Até o ano que vem, a Teladoc planeja atender mais de 10 milhões de brasileiros com o novo app. Até agora, a empresa oferecia aconselhamento médico, por telefone, para 5,2 milhões de usuários de planos de saúde corporativos de empresas como Aon, Porto Seguro e Hospital Sírio-Libanês.



(Nota publicada na edição 1177 da Revista Dinheiro)


Saiba mais
+ SP: Homem morre em pé, encostado em carro, e cena assusta moradores no litoral
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ Andressa Urach pede dinheiro na internet: ‘Me ajudem a pagar a fatura do meu cartão’
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto

+ O economista Paulo Gala revela os caminhos para investir bem em 2022




Sobre o autor

Hugo Cilo é editor de negócios da Revista DINHEIRO


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright ©2022 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.