Giro

Pandemia avança na América Latina e UE se concentra na reconstrução

Pandemia avança na América Latina e UE se concentra na reconstrução

Fila para testes de diagnóstico em Pequim - AFP

A pandemia do novo coronavírus, que já provocou mais de 454.000 mortes no mundo, segue fazendo estragos, especialmente na América Latina, enquanto na China aumenta o medo de uma segunda onda e os líderes da União Europeia (UE) debatem um plano histórico de reconstrução.

O coronavírus avança de forma inexorável e o número de vítimas fatais dobrou em um mês e meio. Desde que foi detectado na China no fim do ano passado, mais de 8,5 milhões de pessoas foram infectadas.

ONU alerta para ameaça de ‘pandemia de fome’ na América Latina devido a coronavírus

Brasil, com 1.269 mortos, e México, com 770, são os países do mundo que registraram mais óbitos nas últimas 24 horas. Na quinta-feira, o México também contabilizou 5.662 novos casos de contágio, um recorde.



O governo mexicano iniciou em 1 de junho a reabertura gradual das atividades em diversas regiões do país, especialmente nos setores de construção, mineração, manufatureiro e automotivo.

Hugo López Gatell, subsecretário mexicano de Saúde e responsável pela estratégia contra a COVID-19, admitiu, no entanto, que “a epidemia ainda não está acabando” e que as estimativas iniciais de mortes foram superadas.

O vírus não dá trégua no Brasil, país de 210 milhões de habitantes e com um balanço de 47.748 mortos e 978.142 casos positivos, a segunda nação mais afetada depois dos Estados Unidos.

O Chile, que se aproxima de 4.000 óbitos, endureceu as sanções para os que não respeitam a quarentena, com penas de até cinco anos de prisão.

– Um vírus europeu? –

Se a pandemia não para de avançar nas Américas, na China, onde o vírus parecia sob controle e com o país já em um ritmo de certa normalidade, as autoridades temem desde a semana passada um novo surto da doença.

Nesta sexta-feira, Pequim anunciou 25 novos casos, o que eleva a 183 o número de contágios nos últimos dias na capital chinesa, que tem 21 milhões de habitantes.

O novo foco obrigou o regime comunista a impor o confinamento em vários bairros e a organizar testes de diagnóstico para milhares de habitantes.

O governo dos Estados Unidos questiona a “credibilidade” dos números e pede o envio de observadores “neutros”.

A China revelou nesta sexta-feira o genoma do coronavírus detectado nos últimos dias e deu a entender que este vírus seria uma versão do que circulou pelo continente europeu há várias semanas ou meses.

“É possível que o vírus que provoca atualmente uma epidemia em Pequim tenha viajado de Wuhan para a Europa e retornado agora à China”, afirmou Ben Cowling, professor no Centro de Saúde Pública da Universidade de Hong Kong.

Outro dado científico, desta vez de Itália, revelou nesta sexta-feira que o novo coronavírus já estava presente nas águas residuais das cidades de Milão e Turim, norte da península, em dezembro de 2019, dois meses antes do registro oficial do primeiro paciente de COVID-19.

– “Uma oportunidade” –

Na Europa, o continente mais afetado pela pandemia com mais de 190.000 mortes, os 27 governantes da União Europeia (UE) debatem nesta sexta-feira o bilionário plano de reconstrução apresentado por Bruxelas para, por meio da dívida comum, tirar o bloco da profunda recessão.

O principal tema das negociações é um plano de recuperação de 750 bilhões de euros (844.000 bilhões de dólares): 500 bilhões seriam distribuídos por meio de subsídios aos países mais afetados pela pandemia, como Espanha e Itália.

Apesar do tempo curto, nenhum acordo é esperado para a primeira discussão por videoconferência, que servirá para “medir a temperatura” das diferentes posições.

Os olhares estão voltados em particular para Holanda, Áustria, Suécia e Dinamarca, os quatros países considerados “frugais” e adeptos do rigor fiscal, que se mostram relutantes a respeito do plano da Comissão Europeia.

“Este plano é uma oportunidade que a Europa não pode deixar passar”, disse a presidente da Comissão, Ursula von der Leyen, antes da reunião. Bruxelas calcula que a economia da UE vai registrar contração de 7,4% do PIB em 2020, devido às consequências da pandemia.

– Fronteiras fechadas –

Nos Estados Unidos, país mais afetado pela pandemia com quase 120.000 mortos, o balanço foi de 687 vítimas fatais nas últimas 24 horas. Este foi o oitavo dia consecutivo com menos de 1.000 óbitos.

O assessor médico da Casa Branca, Anthony Fauci, afirmou em uma entrevista à AFP que que não é necessário ordenar mais confinamentos generalizados nos Estados Unidos para controlar a pandemia, e sim que a gestão deverá ter um enfoque local.

Apesar dos dados encorajadores, o país registra um aumento de casos em quase 20 estados e o foco passou de Nova York e do nordeste para as regiões sul e oeste.

Este é o caso de Oklahoma, onde o presidente Donald Trump planeja organizar um comício eleitoral com milhares de pessoas no sábado, e da Flórida, onde algumas cidades ordenaram o uso de máscara em público.

Neste contexto, o país não programa no momento a reabertura das fronteiras.

burs-es/bl/fp

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel