Dinheiro em Ação

PagSeguro planeja IPO em Wall Street

Crédito: Divulgação

O PagSeguro, sistema de pagamento que pertence à UOL, pretende listar suas ações na Bolsa de Nova York. No dia 26 de dezembro, a companhia solicitou à Securities And Exchange Commission (SEC), órgão regulador do mercado americano, autorização para iniciar o processo. Sem apontar uma faixa de preço para os papéis, a empresa informa, no prospecto, que o montante levantado na operação será utilizado para “aquisições seletivas” e financiamento de “tecnologias ou produtos complementares ao negócio”. O PagSeguro, que tem entre os principais concorrentes PayPal, Cielo e Rede, lucrou R$ 290 milhões nos primeiros nove meses de 2017, alta de 225% frente ao mesmo período de 2016. A companhia é jovem. Nasceu há pouco mais de uma década, focada nos pagamentos de comércio eletrônico. Aos poucos, ela ampliou seu portfólio, e passou a atender também micro e pequenas empresas com estabelecimentos físicos, conquistando 2,4 milhões de clientes até setembro passado.

Papéis avulsos

Itaú poderá investir na XP

A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, com ressalvas, a compra de 49% das ações da XP Investimentos pelo Itaú Unibanco. Em sua decisão, divulgada em 28 de dezembro, o Conselho quer garantir que o modelo criado pela XP, que oferece uma plataforma variada de investimentos, permanecerá competitivo. O Cade exige que o Itaú se comprometa a não adotar critérios de exclusividade para gestores e agentes autônomos.

Telecomunicação

Portugueses querem nova assembleia da Oi

A Bradel, principal acionista da Oi, com 22,2%, quer uma nova assembleia geral. A empresa, ligada à Pharol, antiga Portugal Telecom, quer discutir detalhes do plano de recuperação judicial aprovado em dezembro, que entregou 75% das ações aos credores. A pauta também inclui a composição do novo conselho. A empresa, presidida por Eurico Teles, vai submeter o requerimento à apreciação de Juízo da recuperação. Em 2017, as ações PN subiram 54,2%.

Touro x urso

A expectativa de condenação do ex-presidente Luiz Inácio da Silva, em julgamento marcado para o próximo dia 24, e a volta dos investidores externos às compras, impulsionaram o principal índice da Bolsa nos primeiros pregões do ano. Na quinta-feira 4, o Ibovespa alcançou 78,647 pontos, maior patamar da história, batendo o recorde anterior da véspera. No ano passado, o índice subiu 26,9%.

Destaque no pregão

Vale conclui venda de fertilizantes

Fabio Schvartsman

Após um ano de negociação, a Vale anunciou, na terça-feira 2, a conclusão da venda de seu negócio de fertilizantes para a empresa americana Mosaic por US$ 2,5 bilhões. Desse montante, US$ 1,25 bilhão será pago em dinheiro e US$ 1,25 bilhão em cerca de 42 milhões de ações da Mosaic, a serem emitidas pela empresa americana. “A Vale segue na estratégia de focar somente na mineração”, diz Luiz Gustavo Pereira, estrategista da Guide Investimentos. A alta no preço do minério de ferro, e a gestão focada em governança de Fabio Schvartsman, que assumiu a presidência da mineradora em maio do ano passado, contribuíram para o bom desempenho da ação, que subiu 63,7% em 2017. A companhia migrou as suas ações, no fim de dezembro, para Novo Mercado da B3, o que representa o mais elevado padrão de governança corporativa.

Palavra do analista:

Para Pereira, da Guide Investimentos, a Vale deve otimizar a geração de caixa em 2018, o que tende melhorar a rentabilidade do acionista. A expectativa é que a companhia distribua proventos de 3,5% do valor da ação ordinária, cotada a R$ 41,47 na quarta-feira 3.

Bolsa

Cinco novos nomes no Ibovespa

Bruno Rocha

A B3 divulgou, na terça-feira 2, a nova carteira teórica do Índice Bovespa, que vai vigorar até o dia 4 de maio. Cinco ações passaram a fazer parte do índice e a carteira agora inclui 64 papéis, de 61 empresas. As novatas são: Fleury ON, Iguatemi ON, Magazine Luíza ON, Sanepar UNT e Via Varejo UNT. Não houve nenhuma saída. As três ações com maior participação no índice continuam sendo Itaú Unibanco PN, com 10,5%, Vale ON, com 9,9% e Bradesco PN, com 5,2%.

Mer­ca­do em números

Ambev
R$ 4,5 bilhões
É o valor que a Fundação Antonio e Helena Zerrenner, da Ambev, pagou pelo lote de 15,3% das ações ordinárias da Itaúsa

Cemig
R$ 3,4 bilhões
É o valor de dívidas que a companhia renegociou, por meio da emissão de debêntures, com objetivo de equilibrar o seu fluxo de caixa

General shopping
R$ 937 milhões
É o valor arrecadado pela administradora de centros de compras com a venda de 70% do Internacional Shopping Guarulhos para a Gazit Brasil

Aliansce
R$ 35,5 milhões
É o montante que a administradora de centros de compras vai receber pela venda de 24% de participação no Caxias Shopping, no Rio de Janeiro, para o fundo de investimento XP Malls FII

CSN
23%
É o percentual de reajuste no preço do aço que a siderúrgica acordou repassar às montadoras de veículos durante 2018