Economia

Inflação de serviços sai de -0,47% em agosto para 0,17% em setembro, aponta IBGE

Crédito: Pexels

A inflação de serviços saiu de uma queda de 0,47% em agosto para um avanço de 0,17% em setembro, dentro do IPCA, puxada por turismo (Crédito: Pexels)

A reabertura de atividades econômicas e flexibilização do isolamento social de combate à pandemia podem estar por trás de aumentos de preços em setembro em itens ligados ao turismo, como passagem aérea, aluguel de veículos e pacote turístico, avaliou Pedro Kislanov da Costa, gerente do Sistema Nacional de Índices de Preços do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A inflação de serviços saiu de uma queda de 0,47% em agosto para um avanço de 0,17% em setembro, dentro do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). No acumulado do ano, a inflação de serviços recua 0,05%.

+ Comércio e serviços de São Paulo perdem mais de 300 mil empregos
+ Confiança dos Serviços cresce 2,9 pontos em setembro, diz FGV 

“Acho que não dá pra falar numa pressão (de demanda) ainda sobre o setor de serviços. Mas, de fato, há uma diferença nessa trajetória”, disse Kislanov. Em setembro, os dois principais impactos foram de alimentação fora de casa e passagem aérea.



“Pelo lado da demanda, a gente tem efeito, principalmente, sobre preços dos alimentos”, avaliou Kislanov, acrescentando que o pagamento do auxílio emergencial fez as famílias de renda mais baixa destinarem mais recursos à aquisição de alimentos básicos. “Agora, temos que ver como vai se dar essa flexibilização, de forma gradual, a gente tem que aguardar os próximos meses para ver o impacto (nos preços)”, disse ele.

“O cenário é de incerteza não só na economia, mas também na saúde. Se fala em segunda onda de covid. O que dá para notar é que realmente os serviços apresentaram uma alta em alguns componentes, o que pode indicar melhora da atividade econômica e pode ser efeito da flexibilização”, completou.

Para Kislanov, o repasse de preços mais elevados do atacado para o varejo se dá apenas em algumas categorias de produtos e ainda depende do aquecimento da atividade econômica. Ele lembra que a inflação no atacado é mais sensível a câmbio e preços de commodities.

“No IPCA fica mais difícil o repasse dos preços do produtor ao consumidor final. Claro que em grande medida acabam repassados, como o caso do arroz e do óleo de soja, mas quando você tem estoque maior fica mais fácil não repassar”, disse Kislanov.

Ainda no IPCA, a inflação de bens e serviços monitorados saiu de uma elevação de 0,78% em agosto para alta de 0,13% em setembro. Segundo Kislanov, ainda não há previsão de retomada da coleta presencial do IPCA. O indicador permanece com coleta totalmente remota.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km