Giro

OVNIS: Confira 3 vídeos divulgados pelo exército americano

Crédito: Reprodução/Vídeo

"Os fenômenos aéreos observados nos vídeos permanecem caracterizados como 'não identificados'", disse o Pentágono em seu comunicado. (Crédito: Reprodução/Vídeo)



O Departamento de Defesa dos Estados Unidos divulgou oficialmente três vídeos que mostram “fenômenos aéreos não identificados”.

De acordo com uma reportagem da NDTV, o Departamento de Defesa em comunicado em 27 de abril disse que esses vídeos foram feitos por pilotos da Marinha em 2004 e 2005. Eles circulavam na Internet desde que vazaram em 2007 e 2017.

+ NASA cria equipe para estudar OVNIs

“Os fenômenos aéreos observados nos vídeos permanecem caracterizados como ‘não identificados'”, disse o Pentágono em seu comunicado.




Os visuais divulgados na segunda-feira mostraram objetos voadores não identificados (OVNIs) se movendo mais rápido pela tela. As imagens foram gravadas por câmeras infravermelhas, informou a CNN .

Nos visuais, uma voz pode ser ouvida especulando que o OVNI poderia ser um drone.

A desclassificação dos vídeos que mostram objetos voadores não identificados gerou burburinho entre os internautas. #UFOs e #AliensExist continuaram sendo os principais tópicos de tendências no Twitter junto com #Pentagon na terça-feira. #UFOs foi usado em mais de 20.000 postagens.


Várias pessoas tomaram a filmagem como confirmação de vida alienígena visitando a Terra.

O Twitter foi inundado com memes, piadas e alguns comentários políticos satíricos. Vários usuários até questionaram o momento do lançamento desses vídeos quando o mundo está lutando contra uma pandemia.

Aqui está uma coleção de alguns tweets interessantes:

O Pentágono em seu comunicado disse que as imagens dos OVNIs foram divulgadas após uma revisão cuidadosa para “esclarecer quaisquer equívocos do público”.

“Após uma revisão completa, o departamento determinou que a liberação autorizada desses vídeos não classificados não revela nenhuma capacidade ou sistema sensível e não interfere em nenhuma investigação subsequente de incursões militares no espaço aéreo por fenômenos aéreos não identificados”, afirmou.

Os vídeos surgiram online após vazamentos não autorizados em 2007 e 2017, mas a Marinha já havia confirmado sua autenticidade.