Artigos

Outros personagens históricos cujos restos mortais causam debate

A exemplo do ditador espanhol Francisco Franco, cujos restos mortais podem ser transferidos do mausoléu onde estão desde 1975, o destino de grandes nomes da história também geraram polêmica após a morte.

– Joseph Stalin

Após sua morte em 1953, o líder da União Soviética foi colocado no mausoléu de Lênin em Moscou. Em 1961, seus restos mortais foram transferidos para um túmulo modesto perto do Kremlin, como parte do processo de desestalinização do país. Mas sua sepultura continua a atrair muitos saudosos.

– Nicolae Ceausescu

Depois de manifestações reprimidas violentamente, o ditador romeno e sua esposa Elena foram presos, sumariamente julgados e fuzilados em 25 de dezembro de 1989 em um quartel ao norte de Bucareste. Por medo de que os túmulos fossem profanados, foram enterrados no meio da noite logo após sua execução, sob cruzes com nomes falsos. Os nomes dos cônjuges foram adicionados posteriormente.

Nos últimos anos, a nostalgia do comunismo tem crescido na Romênia, alimentada pelo desencanto com a classe política. Em janeiro de 2018, muitos admiradores de Ceausescu se reuniram em seu túmulo de mármore vermelho no cemitério Ghencea de Bucareste para o centenário de seu nascimento.

– Enver Hoxha

Depois de liderar a Albânia com mão de ferro por 40 anos, o líder comunista morreu em 1985. Um mausoléu em forma de pirâmide foi construído para ele no centro de Tirana, mas não foi enterrado ali. Em vez disso, foi sepultado como herói nacional no Cemitério dos Mártires, na presença de milhares de pessoas em lágrimas.

Após a queda do comunismo, os restos mortais de Enver Hoxha foram exumados em 1992 e transferidos para um cemitério público nos arredores de Tirana. Transformado durante um tempo em centro cultural, o mausoléu está atualmente em ruínas.

– Muammar Kadhafi

Morto durante a revolução líbia em outubro de 2011, o líder foi enterrado em um local secreto no deserto após uma cerimônia religiosa. “Uma decisão destinada a evitar que alguns pró-Khadafi realizassem peregrinações”, justificou na época uma autoridade militar líbia, segundo quem “vamos fazer como para Adolf Hitler”, o ditador nazista cujo cadáver foi roubado pelos soviéticos após seu suicídio em seu bunker de Berlim em 1945.

– Saddam Hussein

Saddam Hussein, que dirigia o Iraque desde 1979, foi preso em 2003 no fundo de um buraco por soldados dos Estados Unidos. Ele permaneceu preso em Bagdá até sua execução em 30 de dezembro de 2006 por crimes contra a humanidade. Seu corpo está enterrado no mausoléu que ele construiu durante sua vida em sua aldeia natal de Auja. O edifício se tornou um local de recolhimento para seus parentes e partidários, mas, por volta de 2014, foi destruído em circunstâncias misteriosas.

Alguns evocam um ataque da Força Aérea iraquiana, outros uma explosão. Não se sabe se o corpo ainda está sob as ruínas do mausoléu ou se foi transportado para outro lugar antes ou depois da destruição do local.

– Haile Selassie

Os restos do último imperador da Etiópia foram descobertos em fevereiro de 1992 e exumados de um túmulo em Adis Abeba, onde foram jogados pelos líderes da Revolução de 1974. Foi somente em novembro de 2000 que Negus – morto em 1975 em circunstâncias misteriosas – foi finalmente enterrado em uma igreja em Adis Abeba, na presença da família imperial.

– Rudolf Hess

Os restos do antigo braço direito de Hitler, morto na prisão em 1987, foram exumados ao amanhecer de 21 de julho de 2011 e seu túmulo na Bavária foi destruído para acabar com o lugar mais importante de peregrinação neonazista na Alemanha.

A exumação, ocorrida menos de um mês antes do aniversário de sua morte, sem que a mídia fosse informada, foi realizada contra a vontade da família do criminoso. Seus restos mortais foram colocados em um novo caixão que foi cremado e as cinzas espalhadas no mar.