Finanças

Ouro fecha em queda de 2%, pressionado por alta do dólar e temores por recessão



O contrato mais líquido do ouro fechou em queda de 2% nesta terça-feira, 5, com os ativos pressionados pelo fortalecimento do dólar ante pares. A sessão foi permeada pelo temor renovado entre investidores de uma recessão nas maiores economias. O preço do metal precioso atingiu a mínima intraday desde dezembro passado e fechou no menor nível desde o último outubro.

Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro para agosto encerrou a sessão em baixa de 2,09%, a US$ 1.763,90 a onça-troy.

O dólar firme ante rivais levou os preços do ouro caírem ainda mais, com o resultado visivelmente abaixo da marca de US$ 1.800 por onça-troy, observa o Commerzbank. Nesta semana, o mercado do metal deve voltar a sua atenção para a publicação da ata mais recente do Federal Reserve (Fed) e do relatório de empregos, o payroll, de junho nesta semana.

Diretor de pesquisa da Insignia Consultants, Chintan Karnani afirma que os temores de recessão e aumentos mais rápidos das taxas de juros básicos pelos bancos centrais aceleraram a venda de ativos de metais. “Também há medo de que o crescimento econômico doméstico chinês no terceiro trimestre seja menor do que o esperado”, observa.




Queda nos índices de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) na zona do euro e Alemanha pesaram sobre as negociações. A Capital Economics observa que o dado europeu de junho confirma a avaliação de que a economia na região se enfraquece e de que as pressões inflacionárias seguem “intensas”.

*Com informações da Dow Jones Newswires.







Tópicos

mercado ouro