Edição nº 1100 14.12 Ver ediçõs anteriores

Os vinhos naturais em destaque

Os vinhos naturais em destaque

Está tudo pronto para a 6.ª edição da feira de vinhos Naturebas, que acontece no próximo sábado, dia 4 de agosto, na Casa das Caldeiras, em São Paulo. Ao todo, 46 produtores, sendo 27 internacionais e 19 brasileiros, e mais 26 importadoras de vinho participam do evento, o primeiro no Brasil a levantar a bandeira do vinho natural e que segue firme no tema desde a sua primeira edição, em 2013.

Neste ano, o casal Lis Cereja e Ramatis Russo, donos da ideia e do evento, decidiu crescer, significativamente a feira, que já é uma referência para quem aprecia vinhos e também ingredientes (haverá 20 produtores artesanais de alimentos) elaborados sem a utilização de agrotóxicos e demais produtos químicos.

Participantes da Feira Naturebas 2017 (Crédito:Divulgação)

O primeiro sinal deste crescimento é a mudança de local do evento. Na primeira edição, 100 pessoas foram na pequenina Enoteca Saint Vin Saint, que pertence ao casal, provar os vinhos naturais. Agora, no novo espaço, foram vendidos todos os 900 ingressos, e o endereço mudou para o outro lado da cidade.

Mais: as atividades dos Naturebas não se resumem à feira, que por si só já é bastante relevante. Há eventos ligados ao tema durante toda a semana. A programação começou na quarta-feira, dia 1, com degustação na Enoteca com os produtores que já chegaram para o Naturebas. Na sexta-feira, haverá a exibição do documentário “Fermentação Espontânea”, de Clara Ismat, seguida de uma mesa redonda com os produtores presentes, como Vasco Croft, de Portugal, e Elian da Rossa, da França, para discutir o filme e seus conceitos, na Federação do Comércio.

Aqui, um parêntese: a definição de vinho natural não é, ainda, precisa até porque, ao menos teoricamente, todo vinho é natural. Mas engloba produtores que não utilizam produtos químicos em suas vinhas e vinhedos, classificados como orgânicos, bio ou biodinâmicos.

Na feira, o espaço maior deve permitir a degustação mais tranquila dos vinhos e a conversa, sempre interessante, com os produtores. No esquema que fazem desde a primeira edição, Lis e Ramatis permitem a venda dos produtos na feira, sem cobrar qualquer taxa, na ideia de incentivar o contato direto entre produtor e consumidor final.

Ainda durante a Naturebas, o produtor brasileiro Eduardo Zenker e sua mulher Gabriela lançam um livro, em que contam a trajetória de sua vinícola, a Arte na Vinha. De pequena produção, literalmente na garagem de casa, eles tiveram a sua produção interditada pelo governo depois de uma denúncia anônima. Zenker não é o único produtor nacional a elaborar vinhos, que não estejam 100% dentro da legislação porque a lei brasileira não contempla do pequeno produtor de vinhos.

Durante a semana que vem, a programação continua com degustações e harmonizações realizadas na Enoteca. Confira o calendário.


Mais posts

Pão de Açúcar aposta (mais) forte nos vinhos

Inaugurada nesta semana na rua Augusta, em São Paulo, a primeira unidade da Adega Pão de Açúcar foca apenas em bebidas alcoólicas e [...]

Leilão de 159 anos e o brasileiro que pagou 10 mil euros por duas garrafas

Na plateia, um brasileiro deve chamar a atenção: Alaor Pereira Lino que atraiu todas as atenções ao se oferecer a pagar mais 10 mil [...]

Dia 11 de novembro é data para abrir as ânforas

O enólogo português Pedro Ribeiro, das vinícolas alentejanas Herdade do Rocim e do Bojador, assumiu, definitivamente, a bandeira dos [...]

Os barolos e os tartufos, no cardápio do La Tambouille

Novembro é época de tartufo bianco (as trufas brancas) no Piemonte, região ao norte da Itália. Aromática e perfumada, a iguaria, prima [...]

Ibravin se posiciona contra alta de impostos para vinhos importados

O deputado federal gaúcho Jerônimo Goergen (PP-RS) apresentou, nesta terça-feira, projeto de lei na Câmara dos Deputados que aumenta em [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.