Giro

Os últimos acontecimentos ligados ao coronavírus no mundo

Os últimos acontecimentos ligados ao coronavírus no mundo

Homem usa máscara em Hong Kong - AFP


Número de mortes superior ao balanço global da SARS, estabilização da contaminação na China e pedido da Opep para redução da produção de petróleo. Veja os últimos acontecimentos sobre a disseminação do coronavírus em todo o mundo nas últimas 24 horas.

– 811 mortos –

O balanço da epidemia na China continental atingiu, neste domingo, 811 mortos, aos quais se acrescenta uma morte em Hong Kong e outra nas Filipinas. Agora, excede o da Síndrome Respiratória Aguda Severa (SARS), que matou 774 pessoas em todo o mundo em 2002-2003.

A epidemia continua a se espalhar pelo mundo. Mais de 320 casos foram confirmados em cerca de 30 países e territórios. As Comores impõem quarentena em um país terceiro a todos os viajantes da China.

Xangai agora exige que seus 24 milhões de habitantes usem uma máscara em locais públicos.

– “Boas notícias” –

Há 37.198 pacientes na China, segundo a Comissão Nacional de Saúde, mas o número de contaminações registradas diariamente na China “está se estabilizando”, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), que registra “um período de estabilidade de quatro dias”.

“São boas notícias e podem refletir o impacto das medidas de controle implementadas”, afirmou a agência.

Contudo, ainda é muito cedo para prever se a epidemia diminuirá ou não, diz.

– Menos petróleo –

A Opep+ recomenda estender uma redução na produção de petróleo até o final do segundo trimestre.

“A epidemia de coronavírus está tendo um impacto negativo nas atividades econômicas, particularmente nos setores de transporte, turismo e indústria, principalmente na China”, afirmou o cartel.

– Cruzeiro confinado –

No Japão, o número de passageiros infectados a bordo do Diamond Princess está aumentando constantemente, subindo para 64, incluindo uma pessoa em estado grave. Cerca de 3.700 pessoas a bordo continuam enclausuradas em suas cabines. O país proíbe qualquer navio de cruzeiro com um doente a bordo de atracar.

Em Hong Kong, por outro lado, milhares de passageiros confinados a bordo de um navio de cruzeiro puderam desembarcar após cinco dias de confinamento.

Os 1.800 tripulantes que poderiam ter contraído o vírus durante uma viagem anterior ao Vietnã por contato com três passageiros chineses infectados foram testados negativos.