Edição nº 1133 09.08 Ver ediçõs anteriores

Os riscos do aquecimento dos oceanos

Os riscos do aquecimento dos oceanos

As águas oceânicas estão mais quentes que nunca. Uma pesquisa publicada na revista científica Advances in Atmospheric Sciences mostra que o aumento do calor nos mares medido em 2018, em relação a 2017, é 388 vezes maior do que toda a geração de eletricidade da China em um ano. Os registros existentes mostram que os anos de 2017, 2015, 2016 e 2014, respectivamente, foram os mais quentes para as águas oceânicas na história, demonstrando uma grave tendência de aquecimento. Os oceanos cobrem 70% da superfície da Terra e absorvem 93% do calor aprisionado pelas emissões de gases causadores do efeito estufa. O avanço da temperatura das águas resulta, entre outras coisas, no derretimento das calotas polares, no aumento do nível do mar e até na mudança das correntes de ventos. Tudo isso combinado provoca temperaturas mais intensas e chuvas mais pesadas, bem como secas prolongadas, nevascas fora de época e ondas de calor. São os chamados eventos climáticos extremos. Compreender o impacto desse problema é primordial para criar um futuro sustentável.

(Nota publicada na Edição 1105 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Desmatamento na Amazônia cresce 278% em julho

A exoneração de Ricardo Galvão, diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), no dia 2 de agosto, não foi suficiente [...]

A energia da moda

A Lojas Renner, maior varejista do mercado têxtil brasileiro, decidiu energizar seus pontos de venda com geração fotovoltaica. Quatro [...]

Onças-pintadas invadem São Paulo

O jaguar, maior felino das Américas, vai agitar as avenidas de São Paulo. Mas não se assuste. É apenas a Jaguar Parade, uma intervenção [...]

Para o governo, vilão do desmatamento é o instituto de pesquisas

Criado em 1961, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) entrou na mira do governo de Jair Bolsonaro (PSL). O presidente diz [...]
Ver mais