Edição nº 1150 09.12 Ver ediçõs anteriores

Os reflexos da desigualdade no mercado de trabalho

Os reflexos da desigualdade no mercado de trabalho

O mercado de trabalho ainda guarda muitas desconformidades entre negros e brancos. O estudo “Desigualdades Sociais por Cor ou Raça”, divulgado em 13 de novembro pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que os trabalhadores brancos possuem, em média, renda 74% superior em relação a pretos e pardos, diferença que se manteve praticamente estável nos últimos anos. Maior parcela da população brasileira (56%), os negros estão em desvantagem no mercado de trabalho, apresentam os piores indicadores de renda, condições de moradia, escolaridade, acesso a bens e serviços, além de estarem mais sujeitos à violência e terem baixa representação em cargos de gerência.

A renda média mensal do brasileiro branco, seja ele trabalhador formal ou informal, é de R$ 2.796. Enquanto isso, entre pretos e pardos, essa quantia cai para R$ 1.608. Para cada R$ 1.000 que é destinado a um trabalhador branco, paga-se
R$ 575 para um trabalhador preto ou pardo. Dado esses números, não seria insólito notar que as diferenças só aumentam de acordo com o grau de hierarquia dentro das empresas. Quase 70% das vagas para cargos gerenciais no País, hoje, são preenchidas por brancos. Além disso, 66% dos desocupados e dos subutilizados são pretos e pardos. Os números mostram que o País ainda está longe em sua missão de propor igualdade de renda e de oportunidades no mercado de trabalho.

(Nota publicada na Edição 1148 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Desmatamento na Amazônia avança mais de 200% em outubro

O apetite das motosserras na floresta amazônica segue insaciável. Segundo dados do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia [...]

Combos livres no Burger King

Para ajudar a preservar o meio ambiente, o Burger King Brasil decidiu retirar as caixas de papelão do combo King Jr., voltado a [...]

Governo quer desobrigar empresa de cumprir cota para trabalhador com deficiência

O governo Bolsonaro quer acabar com a política de cotas para pessoas com deficiência ou reabilitadas. O projeto de lei 6.159/2019, que [...]

Empresas do Bem – A responsabilidade social da Cogna

A Cogna, holding que administra diversas marcas educacionais como Kroton, Saber, Platos e Vasta/Somos, está reforçando o seu papel social. Desde que Camilla Veiga assumiu a área de responsabilidade social da empresa, no fim de 2018, os projetos não param. Mais de 1,5 milhão de pessoas já foram impactadas por meio de 1,7 mil programas […]

A farra dos agrotóxicos

A aprovação de pesticidas, alguns deles proibidos em outras partes do mundo, tornou-se uma ação rotineira para o Ministério da [...]
Ver mais