Os primeiros passos de 2021

Os primeiros passos de 2021

O grupo catarinense Calcenter, dono da rede de lojas de calçados Studio Z, definiu como resolução de Ano Novo acelerar sua expansão pelo País em 2021.

Depois de um ano difícil com o fechamento do comércio por mais de três meses nos principais mercados em que atua, a companhia que teve faturamento estimado de mais de R$ 1 bilhão em 2019 estuda novas praças para lançar suas unidades.

Atualmente, a marca é forte nas regiões Sul, Norte e Centro-Oeste. O crescimento será capitaneado pelo novo presidente, Gino Di Domenico, que assumiu o comando no primeiro dia útil deste ano.

Ele entra no lugar de Juliano Zanatta, que esteve à frente da presidência durante sete anos e foi para o Conselho de Administração das empresas do grupo. “Estou muito animado em poder construir uma nova etapa na Studio Z e, junto com o conselho de administração e os acionistas, poder liderar uma nova fase de expansão, tanto no físico como no digital”, afirmou Di Domenico.



(Nota publicada na edição 1204 da Revista Dinheiro)

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago


Sobre o autor

Hugo Cilo é editor de negócios da Revista DINHEIRO


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.