Artigos

Os filmes em competição pela Palma de Ouro em Cannes

Os filmes em competição pela Palma de Ouro em Cannes

O presidente do Festival de Cannes, Pierre Lescure (esq.), e o Delegado-Geral, Thierry Fremaux, posam em frente ao cartaz oficial do evento em 18 de abril em Paris - AFP

Esses são os 21 filmes em competição pela Palma de Ouro, entregue neste sábado (25), no Festival de Cannes:

– “Os Mortos Não Morrem” de Jim Jarmusch (Estados Unidos), filme de abertura. Com Bill Murray, Adam Driver, Tilda Swinton e uma horda de zumbis liderados por Iggy Pop e Tom Waits.

– “Dor e glória” de Pedro Almodóvar (Espanha). Retrato de um diretor melancólico encarnado por Antonio Banderas, junto a Penélope Cruz. Filme mais autobiográfico do cineasta espanhol.

– “O Traidor” de Marco Bellocchio (Itália). Baseado na história do primeiro arrependido da máfia siciliana. Coproduzido pelo Brasil.

– “The wild goose lake” de Diao Yinan (China). Filme sobre a relação entre um líder de uma banda em busca de redenção e uma prostituta.

– “Parasita” de Bong Joon Ho (Coreia do Sul). Uma família no desemprego se interessa pelo ritmo de vida de uma família riquísima, até que seus destinos se cruzam.

– “O Jovem Ahmed” de Jean-Pierre e Luc Dardenne (Bélgica). Sobre a radicalização de um adolescente.

– “Roubaix, une lumière” de Arnaud Desplechin (França). Inspirado em um fato real, sobre um grupo de policiais. Com Léa Seydoux (“A Vida de Adèle”).

– “Atlântico” de Mati Diop (França/Senegal), ópera prima. Em um subúrbio de Dacar, os trabalhadores de uma obra decidem deixar o país em busca de uma vida melhor.

– “Matthias e Maxime” de Xavier Dolan (Canadá). Dois amigos de vinte anos começam a se sentir atraídos um pelo outro.

– “Little Joe” de Jessica Hausner (Áustria). Sobre a manipulação genética em um futuro próximo.

– “Mektoub my love: Intermezzo”, de Abdellatif Kechiche (França). Segunda parte de “Mektoub my love: canto um”, na competição da Mostra de Veneza em 2017, uma ode ao amor e ao desejo que segue um grupo de jovens nos anos 1990.

– “Sorry we missed you” de Ken Loach (Grã-Bretanha). A luta diária de uma família contra a precariedade na Inglaterra.

– “Os Miseráveis” de Ladj Ly (França), ópera prima. A violência policial em um subúrbio de Paris, onde vive o diretor.

– “A hidden life” de Terrence Malick (Estados Unidos). A história de Franz Jägerstätter, objetor de consciência austríaco que foi executado pelos nazistas.

– “Bacurau” de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles (Brasil). Um diretor viaja para o interior do Brasil e se descobre que os habitantes escondem segredos perigosos. Com Sonia Braga.

– “La Gomera” de Corneliu Porumboiu (Romênia). Um policial romeno chega à ilha canária de La Gomera para ajudar um delinquente a escapar da prisão.

– “Frankie” de Ira Sachs (Estados Unidos), com Isabelle Huppert e Marisa Tomei. Três gerações participam de uma experiência de um dia: uma viagem para a cidade portuguesa de Sintra.

– “Portrait de la jeune fille en feu” de Céline Sciamma (França). Uma pintora do século XVIII recebe a encomenda de fazer o retrato de casamento de uma jovem.

– “It must be heaven” do palestino Elia Suleiman. Relato autobiográfico sobre o exílio do diretor de sua Palestina natal.

– “Era uma vez em Hollywood”, de Quentin Tarantino (Estados Unidos). Novo filme do diretor que revisita a Los Angeles de 1969 através da história de uma estrela de televisão e sua dublê para cenas de ação, com Leonardo DiCaprio e Brad Pritt.

– “Sibyl” de Justine Triet (França). Uma escritora convertida em analista decide voltar a escrever e encontra inspiração em uma jovem que lhe faz revelações.