Giro

Os dez maiores mitos sobre a Ômicron, segundo a Organização Mundial da Saúde

Crédito: Reprodução/Pixabay

Perante a escalada de casos por todo o mundo diante da Ômicron, a OMS assinalou aqueles que considera serem os maiores mitos a circularem. (Crédito: Reprodução/Pixabay)



Perante a escalada de casos por todo o mundo diante da Ômicron, variante mais infecciosa, a Organização Mundial da Saúde assinalou aqueles que considera serem os maiores mitos a circularem.

O combate a desinformação e às Fake News tem sido um uma batalha que a OMS tem trabalhado desde o início da pandemia. Desta forma a organização rebateu alguns mitos disseminados:

+ Há dois anos, campanhas de desinformação atacam vacinas anticovid-19

1. “A infecção pela Ômicron é igual à de uma constipação comum”.
Embora possa ter sintomas semelhantes, é preciso continuar a ter em atenção que a Covid-19 é muito mais perigosa.



2. “Os casos de Ômicron são sempre suaves”.
Mais uma vez, a OMS deixa claro que, embora esta variante tenha reduzido o risco inicialmente associado à doença, não pode ser substimado, pois isso pode levar à morte ou a outras consequências igualmente trágicas.

3. “A Ômicron não provoca o caos nas hospitalizações”.
Outro mito generalizado que, insiste a organização, não é verdadeira. Embora menos perigosa, esta variante ainda leva efetivamente a um grande número de hospitalizações.

4. “As vacinas não funcionam contra a Ômicron”.
Mais uma vez, insiste a OMS, trata-se de uma informação falsa: se esta variante está se revelando menos perigosa é extamente devido ao desenvolvimento das vacinas, que minimizaram os efeitos de qualquer coronavírus.


5. “As pessoas não vacinadas não ficam gravemente doentes com a Ômicron.”
Pelo contrário, refuta a OMS, alguém não imunizado corre sempre maior risco do que alguém que tenha as vacinas em dia.

6. “As doses de reforço não funcionam contra a Ômicron”.
Tal como as primeiras doses, as de reforço servem para dar uma resposta imune mais forte ao organismo contra qualquer variante da Covid-19

7.  “Quem já esteve infectado está imunizado”.
Pode ser uma falácia, avisa ainda a OMS, pessoas já infectadas há mais tempo podem perfeitamente voltar a testar positivo. A boa notícia é que geralmente é com menos severidade.

8. “As máscaras não protegem contra a Ômicron”.
Continua a ser recomendada – e em muitos casos obrigatória – extamente pela sua eficácia. O uso de máscara protege contra qualquer vírus respiratório, inclusive a Ômicron.

9. “BA.2 não pode ser detectada.”
Embora se tivesse inicialmente tornado conhecida como “variante furtiva”, por ser mais dificil de identificar do que outras estirpes, isto não quer dizer que a subvariante BA.2  não seja detectável nos testes.

10. “A Ômicron é um sinal claro que estamos no fim da pandemia”
A OMS relata o perigo mais reduzido da mais recente variante da Covid-19, mas insiste que há ainda um longo caminho a percorrer até se poder decretar o fim da pandemia.







Tópicos

3ª dose astrazenca protege ômicron ações azul Gol coronavírus nova variante aéreas americanas afetadas por contaminação de funcionários África do Sul nova variante Namíbia Lesoto Zimbábue Botsuana Eswatini astrazeneca dose de reforço ômicron B3 ações nova variante Bolsas Ásia Bolsas china brasileiro testa positivo áfrica do sul cepa omicron china confina 500 mil pessoas ômicron China surto ômicron Cidade china milhões de teste Coronavac eficácia ômicron coronavírus CORONAVÍRUS NOVA VARIANTE covid covid eua covid europa covid no mundo Covid-19 covid-19 inverno crescimento econômico cruzeiro passageiros covid flórida Delta dose de reforço eficácia das vacinas eficacia das vacinas do covid europa se fecha variante áfrica do sul exame covid faixa etaria vacina covid sp Festival cancelado ômicron imunização Instituto Butantan Israel nova variante Japão suspende reservas voos lentidão vacinação Rússia lockdown medidas preventivas de restrição melhor vacina covid ministério da economia nova cepa variante ômicron município do Rio mutações nova variante nome das vacinas do covid nova cepa nova cepa impacto economia brasileira nova cepa omicron nova variante nova variante 2021 Nova variante África do Sul Nova fronteiras nova variante áfrica do sul tem vacina? Nova variante covid África do Sul nova variante da covid-19 nova variante delta nova variante do coronavírus Nova Variante EUA lockdown Fauci nova variante EUA restrições nova variante quatro continentes novo coronavírus novo virus omicron o que se sabe ômicos casos confirmados ômicro menos grave que delta omicrom omicron ômicron 25 de dezembro 2021 ômicron afeta voos nos Estados Unidos omicron alfabeto grego Ômicron ameaça ômicron Argentina primeiro caso ômicron cancelamento carnaval ômicron caso São Paulo infecção local ômicron casos Brasil ômicron casos são Paulo Ômicron confirmada no Distrito Federal Ômicron contágio ômicron coronavac omicron covid Ômicron DF Ômicron Distrito FEderal ômicron duas doses bastam? Ômicron dose de reforço 3ª dose ômicron eficácia vacinas ômicron empresas aéreas ômicron Estados Unidos Anthony Fauci ômicron estudo ômicron estudo Imperial College ômicron estudo vacinas Ômicron EUA ômicron festas de réveillon ômicron flexibilização São Paulo Ômicron fronteiras ômicron hospitalização delta estudo ômicron impacto mercados financeiros ômicron Itália ômicron Lufthansa corta voos ômicron moderna vacina ineficazes ômicron mutação Ômicron mutações ômicron nova linhagem Ômicron nova variante ômicron nova versão ômicron OMS ameaça mundial Ômicron onde surgiu Ômicron países já atingidos Ômicron poder de infecção ômicron presença países ômicron primeira morte reino Unido ômicron propagação ômicron reforço ômicron reino unido ômicron restrições europa natal fim de ano viagens ômicron restrições frança ômicron restrições natal ômicron são Paulo Máscaras omicron significado grego omicron sintomas ômicron transmissão local ômicron vacinação ômicron vacinas ômicron vacinas dão conta? ômicron volatilidade ações bolsas ômicron volta restrições brasil ômicron voos cancelados ômicron voos estados unidos Ômicron voos europa Ômicron voos países africanos Ômicronimpacto atividade econômica organização mundial da saúde Organização Mundial da Saúde (OMS) para o combate à Covid-19 David Nabarro Organização Pan-Americana da Saúde pandemia pcr covid Pfizer pfizer omicron pode tomar a vacina do covid gripada? por que o ano novo em salvador foi cancelado? por que se comemora o ano novo presidente da Comissão Europeia Ursula von der Leyen variante áfrica do sul programas auxílio nova cepa proteína spike quais os sintomas da nova variante delta quais os sintomas da nova variante Ômicron quais os sintomas da variante delta? qual é o primeiro país a entrar no ano novo? qual é o significado do ano novo qual melhor vacina contra covid? qual melhor vacina covid quanto tempo o covid fica no corpo? quinta onda Covid Recife réveillon Rússia confinamento Rússia recorde de casos Rússia recorde de mortes uso de máscaras vacina vacinal variante variante áfrica do sul variante áfrica do sul ações bola variante áfrica do sul contágio variante áfrica do sul defesa variante África do Sul disseminação variante áfrica do sul eficácia vacinas variante África do Sul Europa variante África do Sul fronteiras variante áfrica do sul impacto bolsas variante África do Sul imunizantes variante áfrica do sul países variante África do Sul países atingidos variante África do Sul pesquisa variante áfrica do sul presença variante áfrica do sul vacinas variante B.1.1.529 África variante B.1.1.529 África do Sul muitas mutações variante coronavirus variante covid-19 variante delta Variante delta 2021 Variante delta Auckland variante delta austrália variante delta brasil Variante delta como testar Variante delta eficácia variante delta mais letal variante delta Nova Zelãndia variante delta países Variante delta rio variante delta Sao Paulo variante delta sintomas Variante delta vacinas variante delta volta variante omicron variante Ômicron no rio variante Ômicron Rio de Janeiro variante omicron sintomas variante omicron vacina vírus