Edição nº 1142 14.10 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Mark Mobius, sócio fundador da Mobius Capital Partners

‘A privatização é mais importante que a Previdência para dar impulso à economia brasileira’

Marcelo Tabach

‘A privatização é mais importante que a Previdência para dar impulso à economia brasileira’

O gestor de recursos Mark Mobius criou o conceito de mercados emergentes nos anos 1970. Agora, aos 82 anos, ele administra seu próprio negócio de gestão de recursos. E as ações brasileiras estão entre as favoritas

Lucas Bombana
Edição 12/07/2019 - nº 1129

Apesar da crise, o Brasil, ao lado de China, Índia e Coreia do Sul, segue como um dos países emergentes preferidos de Mark Mobius. “O mercado brasileiro é muito atraente”, diz o gestor de 82 anos nascido em Nova York. A confiança se reflete em aportes nos setores de consumo, por meio das Lojas Americanas, e educação, com a Kroton, as únicas brasileiras nas quais seus fundos investem. Após liderar por três décadas a área de mercados emergentes da gestora americana Franklin Templeton, Mobius resolveu empreender. Em maio de 2018, ele criou a Mobius Capital Partners, gestora com sede em Londres e que tem US$ 200 milhões sob administração. Conhecido por sua paixão pelo carnaval brasileiro, Mobius falou sobre política, economia e taxas de juros.

DINHEIRO – Como o senhor vê a tramitação da reforma da Previdência?

MARK MOBIUS – Os investidores estão dando muita atenção à aprovação da reforma da Previdência. Só que, a meu ver, não estão se atentando como deveriam para outro aspecto importante: as privatizações que devem ocorrer nos próximos meses. No médio prazo, a privatização é mais importante que a Previdência para dar impulso à economia brasileira.

DINHEIRO – Por que privatizar é tão importante?

MOBIUS – Quando essas empresas forem vendidas, elas vão para as mãos de pessoas com capacidade para aumentar sua produtividade, o que deve permitir que elas se tornem lucrativas. E mais importante, elas se tornarão pagadoras de impostos, gerando uma grande contribuição fiscal para o governo. Isso será extremamente benéfico para o desenvolvimento econômico.

DINHEIRO – As privatizações estão demorando. Isso deve retardar a recuperação da economia?

MOBIUS – A velocidade do programa de privatização é um ponto de atenção para os investidores, mas o importante é que ele está sendo levado adiante.

DINHEIRO – O Índice Bovespa está acima de 100 mil pontos. As ações brasileiras são atraentes?

MOBIUS – O mercado brasileiro é muito atraente. Já temos investimentos na região e avaliamos novas oportunidades. Ainda haverá bons negócios a serem feitos no país.

DINHEIRO – Quais companhias brasileiras estão na carteira da Mobius Capital Partners?

MOBIUS – A principal ação brasileira em nosso portfólio atualmente é a das Lojas Americanas. Ela é a quinta ação mais importante em nossa carteira, com cerca de 5,1%. Temos também a Kroton, a décima maior posição do fundo, com 4,4%. Estamos olhando para outras possibilidades, mas ainda não investimos.

DINHEIRO – O que o levou a apostar no varejo brasileiro?

MOBIUS – Gostamos de empresas capazes de aproveitar o mercado brasileiro de consumo. Tenho muito interesse no setor, e acredito que ele ainda vai apresentar grandes oportunidades.

“A Lojas Americanas é a quinta ação mais importante em nossa carteira.Gostamos de empresas capazes de aproveitar o mercado de consumo” (Crédito:Mônica Zarattini/AE)

DINHEIRO – O PIB fraco pode atrapalhar?

MOBIUS – É verdade que os números sobre o ritmo da atividade doméstica não têm sido muito bons, o que tem levado algumas pessoas a acreditar que os consumidores não terão mais dinheiro. Mas eu discordo. Logo veremos a renda e o consumo voltarem a crescer, o que vai representar uma boa oportunidade para as empresas que souberem aproveitar esse movimento.

DINHEIRO – Mesmo com a economia brasileira crescendo menos do que o desejável?

MOBIUS – Os dados do PIB foram fracos, mas refletem o que já ficou para trás. Pelas nossas projeções, os economistas estão muito pessimistas. Acredito que os próximos números serão melhores que o esperado.

DINHEIRO – Uma visão de longo prazo ajuda a atravessar momentos de instabilidade?

MOBIUS – Sim. Nosso horizonte é de três a cinco anos, não estamos tão preocupados com o que está acontecendo agora. Inclusive muitas das ações que analisamos tiveram uma queda dos preços acima do que consideramos razoável, o que pode representar boas oportunidades de compra.

DINHEIRO – Quanto as ações brasileiras representam na carteira da Mobius Capital Partners?

MOBIUS – A participação brasileira está atualmente por volta de 8%. Esse número está sempre variando, devido às operações que fazemos e também por conta das oscilações nos preços de mercado.

DINHEIRO – O que pode fazer o senhor elevar sua exposição ao Brasil?

MOBIUS – Qualquer aceleração no processo das reformas do governo seria ótima. E não apenas a da Previdência, ou as privatizações, mas também esforços para reduzir a burocracia e as barreiras. Precisam ser criadas condições mais propícias para o desenvolvimento de empresas de pequeno e médio porte. Esse é o grande problema do País em minha avaliação. E me remete a uma questão curiosa.

DINHEIRO – Qual?

MOBIUS – Sempre que penso no Brasil me lembro que as pessoas têm grande expectativa com os resultados dos sorteios da loteria. Isso ocorre porque é muito difícil uma empresa ter condições para prosperar. Se essas condições forem aprimoradas os resultados corporativos serão muito melhores.

DINHEIRO – Qual sua avaliação sobre os primeiros seis meses do governo Bolsonaro?

MOBIUS – Muita gente está decepcionada com o novo governo por conta de uma expectativa que foi frustrada, mas esse não é o nosso caso. Sabemos que haveria dificuldades no caminho, isso acontece quando se tentam fazer reformas. As pessoas não gostam de mudanças. Estou razoavelmente feliz com o que aconteceu até agora. Só acho que as reformas precisam ser aceleradas.

DINHEIRO – Quais emergentes são mais promissores?

MOBIUS – A China e a Índia estão empatadas em primeiro lugar no nosso portfólio, com participações iguais de 30%. São duas economias muito grandes, com um leque de alternativas bastante amplo para escolher. Depois vem a Coreia do Sul, com aproximadamente 15%, e a quarta posição é do Brasil, com uma participação de 8%. São os quatro principais países em nosso radar no momento.

“Se a saída do Reino Unido da União Europeia for muito abrupta, a economia da Europa pode desacelerar, prejudicando as exportações brasileiras” (Crédito:Matt Dunham/AP Photo)

DINHEIRO – Quais as maiores posições?

MOBIUS – A maior posição é na biofarmacêutica coreana Hugel. Em seguida vem a chinesa de fast food Yum e a taiwanesa de tecnologia eMemory.

DINHEIRO – A queda dos juros vai atrair mais capital para os emergentes?

MOBIUS – Com certeza. Os juros nos Estados Unidos já estão muito baixos, mas o mercado prevê que o Federal Reserve [Fed, o banco central norte-americano] vai reduzi-los ainda mais. A medida vai ser muito importante não apenas para estimular o mercado acionário americano, mas também o brasileiro. Se os juros nos Estados Unidos forem reduzidos, o Brasil vai conseguir atrair um volume maior de recursos para a renda fixa. As taxas brasileiras ainda estão bem acima do que é praticado nos mercados desenvolvidos.

DINHEIRO – Como a guerra comercial entre Estados Unidos e China afeta os emergentes?

MOBIUS – Muitas pessoas enxergam a guerra comercial como algo negativo. Eu não concordo. Acredito que muitos países emergentes vão se beneficiar da disputa entre as duas potências. Isso porque as exportações da China para os Estados Unidos vão ser substituídas por exportações do Brasil, do Vietnã, de Bangladesh. É muito importante que o Brasil perceba essa oportunidade e tente melhorar sua relação comercial com os Estados Unidos, para aumentar suas exportações e substituir a China. Esse processo já está acontecendo com alguns países asiáticos, e o Brasil precisa estar atento para se beneficiar.

DINHEIRO – Quais os riscos para os emergentes?

MOBIUS – Um afrouxamento nas regras que dão sustentação às relações comerciais globais seria um problema. Apesar de existirem falhas, existem regras estabelecidas e reconhecidas que regulam e permitem as transações. Outro problema seria uma eventual alta dos juros. É improvável, mas seria muito ruim.

DINHEIRO – O crescimento econômico na Europa também tem decepcionado. Pode ser um problema para os emergentes?

MOBIUS – A saúde financeira da Europa é um ponto a ser monitorado, em especial o Brexit. Se a saída do Reino Unido da União Europeia for muito abrupta, a economia da Europa pode desacelerar, ao menos temporariamente, prejudicando as exportações brasileiras.

DINHEIRO – Quais são as principais diferenças entre o trabalho que o senhor realizou por tanto tempo na Franklin Templeton para o que faz agora à frente de sua própria gestora?

MOBIUS – Uma das principais diferenças é o porte, temos bem menos dinheiro e uma quantidade muito menor de fundos. [A Franklin Templeton tem cerca de US$ 750 bilhões sob gestão; a Mobius Capital Partners tem aproximadamente US$ 200 milhões]. Na Franklin Templeton havia quase 80 fundos dedicados a mercados emergentes, agora tenho dois. E focamos muito na governança corporativa. Nos dedicamos fortemente em entender como ajudar as companhias a melhorar sua governança. Se a companhia tem uma boa governança, as chances de sua ação ter um bom desempenho são maiores.

DINHEIRO – Esse trabalho de aprimoramento da governança é feito com as companhias brasileiras em sua carteira?

MOBIUS – Sim. Temos conversado regularmente com as empresas brasileiras para entender como podemos ajudar. Nossa atuação geralmente foca em melhorias nas relações com investidores, em um conselho e diretoria com maior grau de independência.

DINHEIRO – Qual foi sua motivação para sair da Franklin Templeton e começar seu próprio negócio?

MOBIUS – Gosto da ideia de fazer algo diferente, e com um foco maior. Na Franklin Templeton desenvolvia muitas coisas, em diversas direções diferentes, e agora posso me concentrar em apenas uma estratégia, o que está sendo muito bom.

DINHEIRO – Quais países emergentes estão em seu radar, mas ainda não receberam investimentos?

MOBIUS – Há alguns países na África que temos acompanhado mas ainda não investimos. Quênia, Costa do Marfim, Egito e África do Sul são alguns exemplos.

DINHEIRO – Quando deve ser a próxima viagem ao Brasil?

MOBIUS – Já estive duas vezes no Brasil neste ano, e gostaria de voltar no fim do ano, em novembro ou dezembro.



Juiz suspende ação contra Deltan com críticas ao MP e à magistratura

Procurador

Juiz suspende ação contra Deltan com críticas ao MP e à magistratura


Economia


Norte e Nordeste ficam fora do ranking dos 10 estados brasileiros mais competitivos

Solidez fiscal

Norte e Nordeste ficam fora do ranking dos 10 estados brasileiros mais competitivos

Indicador que mede solidez fiscal, qualidade dos serviços públicos, sustentabilidade e infraestrutura coloca São Paulo, novamente, no topo


Internacional

 Bolívia escolhe presidente domingo, na votação mais acirrada da história do país

América do Sul

Bolívia escolhe presidente domingo, na votação mais acirrada da história do país

Milhares de pessoas protestam no Líbano pelo terceiro dia consecutivo

Oriente Médio

Milhares de pessoas protestam no Líbano pelo terceiro dia consecutivo


Memória

Lázaro Brandão acreditou na evolução do agro nacional, diz Sociedade Rural Brasileira

Bradesco perde seu ícone

Bradesco perde seu ícone

Lázaro Brandão acreditou na evolução do agro nacional, diz Sociedade Rural Brasileira


Editorial

O megaleilão de R$ 112 bilhões

Por Carlos José Marques

Por Carlos José Marques

O megaleilão de R$ 112 bilhões

Já desponta como a mais promissora notícia deste primeiro ano de Governo o megaleilão do excedente da cessão onerosa do petróleo do pré-sal, que deve ocorrer no mês que vem, com previsão de arrecadação na casa de R$ 112 bilhões. Será, em se confirmando, um resultado tão extraordinário que pode significar a redenção orçamentária do Estado

Felipe Miranda, estrategista-chefe da Empiricus

Felipe Miranda, estrategista-chefe da Empiricus

"Investidor é como boxeador. Se estiver domado não produz nada"

O principal nome do site de recomendações financeiras que mais barulho causou no Brasil nos últimos anos fala sobre os resultados que obteve a partir de estratégias de marketing incisivas e explica por que sua empresa optou por uma postura mais zen


Tecnologia

Sono hype

O foco agora é na cama

O foco agora é na cama

Sono hype

A indústria do bem-estar chega à era pós-fitness e alimentação saudável: a hora de dormir


Acerto de contas

JBS

Acerto de contas

Com desembolso de R$ 5 bilhões, JBS conclui o pagamento da totalidade das dívidas com bancos públicos reguladas pelo Acordo de Normalização, de 2018

O plano elétrico da Renault

Mobilidade

O plano elétrico da Renault

A marca francesa acelera suas vendas fortalecendo parcerias com governos e entidades dedicadas a popularizar os motores carbono zero


Dinheiro da semana

Bolsonaro bate boca com Bivar e racha com PSL

Crise no partido

Crise no partido

Bolsonaro bate boca com Bivar e racha com PSL

O estopim teria sido a declaração dada, na manhã da própria quarta, pelo presidente da legenda, o deputado federal Luciano Bivar, segundo quem a relação de Bolsonaro com o partido estava em estado terminal. “Ele já está afastado”, acrescentou Bivar


Ambiente competitivo estimula Santander

Expansão

Ambiente competitivo estimula Santander

Além do avanço por canais digitais, banco pretende ampliar rede de agências que atendem a cadeia do agronegócio, desde fornecedores, produtores até a agroindústria

Juro baixo destrava ofertas de ações

Onda de IPOS's

Juro baixo destrava ofertas de ações

Volume financeiro em operações iniciais e de aumento de capital por companhias abertas já ultrapassa R$ 60 bilhões neste ano. A perspectiva é encerrar o quarto trimestre com movimentação total superior a R$ 70 bilhões — um recorde


Colunas


O que aprendi sobre chatbots na China

Eduardo Henrique

Eduardo Henrique

O que aprendi sobre chatbots na China

Conheci de perto cerca de 20 empresas durante esse período, já que o motivo principal dessa viagem era observar iniciativas chinesas disruptivas em diversos setores, em especial aquelas que focam na Inteligência Artificial para serviços de interação e suporte aos clientes