Os áudios vazados de Zuckerberg

Os áudios vazados de Zuckerberg

Leaks, ó, leaks. Mas pode ser traduzido também por aqui-se-faz-aqui-se-paga.
Não é nada que se compare à Vaza Jato, mas áudios de uma reunião de Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, com seus colaboradores, mostra muito das estratégias da empresa – e dos estratagemas de seu fundador e principal acionista. As informações foram veiculadas pelo The Verge. Foram duas reuniões em julho, e mostram o clima de apreensão vivido na companhia. O principal tema da agenda envolveu Elizabeth Warren. A democrata e pré-candidata à sucessão de Donald Trump é crítica assídua das gigantes de tecnologia e do Facebook em particular. Ela defende que a empresa seja desmembrada para que seu poder fique sob controle.

O que Zuckerberg disse “Bem, estou preocupado que alguém tente desmembrar nossa empresa” – e aqui ele faz parênteses para agradecer por viver nos Estados Unidos: “Devo dizer que uma das coisas que mais amo e aprecio em nosso país é que temos um estado de direito realmente sólido, diferentemente de muitos outros lugares do mundo.” E continua: “Se ela (Warren) for eleita presidente, aposto que vamos ter um desafio legal. Aposto que venceremos esse desafio. E isso ainda seria ruim para nós? Sim. Apenas desmembrar essas empresas, seja Facebook, Google ou Amazon, não resolverá realmente os problemas. E, você sabe, isso não torna menos provável a interferência eleitoral. Isso não torna menos provável o discurso de ódio…”

Cotovelada no Twitter… “É por isso que o Twitter não pode fazer um trabalho tão bom quanto possível. Quero dizer, eles enfrentam, qualitativamente, os mesmos tipos de problemas. Mas eles não podem investir. Nosso investimento em segurança é maior que a receita total da empresa [risos].”

Diminuir a irritação da opinião pública “Acho que existem problemas reais. Não que os remédios antitruste os resolvam. Mas entendo que, se não ajudarmos a resolver esses problemas e a estabelecer uma estrutura reguladora em que as pessoas sintam que há responsabilidade real, então sim, as pessoas continuarão ficando mais irritadas.”

Encerrou dizendo o quanto foi importante eliminar pessoas pelo caminho para permanecer na empresa. “Uma das coisas que tive a sorte de construir nesta empresa é que eu tenho o controle do voto, e foi nisso que eu me concentrei desde o início. E foi importante porque houve vários momentos em que eu teria sido demitido sem isso. Com certeza, com certeza…”

(Nota publicada na Edição 1141 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Transação digital em alta

O Sicoob, maior sistema financeiro de cooperativa do País, anuncia que 78% das transações realizadas em 2019 foram por meio dos canais [...]

Novo modelo do Salão do Automóvel

O tradicional Salão do Automóvel de São Paulo sofre como as demais feiras mundiais, o esgotamento do formato. Resultado: 12 marcas já [...]

Da Bahia para a Nasa

Cinco jovens estudantes de Salvador venceram o Nasa Space Apps Challenge International 2019 ao criarem um dispositivo que recolhe [...]

Celular com tela dobrável

A Samsung apresentou nesta semana para o mundo o Galaxy Z Flip, novo smartphone com tela dobrável. Com dobradiça oculta e UX [...]

SKY nas nuvens

Maior operadora de TV via satélite do Brasil, a SKY aderiu às soluções da Equinix, empresa global de interconexão e data center, para [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.