Economia

Orçamento secreto: saiba como o governo usa essas verbas “invisíveis”

Crédito: Waldemir Barreto/Senado Federal

Bolsonaro quebrou, junto do Congresso, travas fiscais para viabilizar um orçamento mais pomposo em 2022 (Crédito: Waldemir Barreto/Senado Federal)



Artifício clássico na barganha política entre os poderes Executivo e Legislativo, as emendas parlamentares vão ganhando contornos novos no Brasil. Se antes a compra de votos era chamada de “mensalão”, nas últimas semanas o chamado “orçamento secreto” se tornou o fiel da balança e garantiu ao governo Jair Bolsonaro a votação em dois turnos da PEC dos Precatórios na Câmara.

As emendas parlamentares são recursos destinados por um parlamentar para serem gastos em diversas áreas do serviço público. Essas destinações, usadas nas bases eleitorais desses parlamentas, são gastos previstos anualmente e até obrigatórios no orçamento, já que compõem o que se conhece como orçamento impositivo.

Apesar da obrigatoriedade, é prática comum dos governos segurarem essas emendas para pressionar deputados, senadores e vereadores a votarem projetos que sejam polêmicos e que necessitam de votação com quórum qualificado – caso de uma alteração na Constituição, por exemplo, que só é aprovada com um mínimo de 308 deputados.

+ Entenda o que são precatórios e por que eles são a salvação do governo



Para viabilizar a PEC dos Precatórios, projeto que vai turbinar o orçamento federal em ano de eleição e que fura o Teto de Gastos para promover a criação do Auxílio Brasil, o governo precisou abrir a torneira dos gastos públicos e liberou cerca de R$ 909 milhões através das chamadas emendas do relator.

O mecanismo é previsto nas emendas parlamentares para liberar a distribuição de dinheiro a aliados governistas sem a identificação de quem recebeu o dinheiro. Ou seja, o parlamentar fica “invisível” para órgãos independentes de controle do Orçamento brasileiro.

Furo do Teto de Gastos vai mexer no seu bolso

No Orçamento deste ano, as emendas previstas para parlamentares individuais entre senadores e deputados bateram os R$ 9,6 bilhões, seguidos por emendas de bancadas dos partidos que acumulam outros R$ 7,3 bilhões e as de relator R$ 18,5 bilhões. Os dados são da Consultoria de Orçamento da Câmara.


Com uma medida polêmica que altera o Teto de Gastos e permite ao governo sinal livre para viabilizar pautas de interesse próprio, o presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), precisou de um ostensivo corpo-a-corpo com os deputados para viabilizar a PEC. Pelos dados da Câmara, até este mês foram empenhados nas emendas de relator aproximadamente R$ 9,3 bilhões dos R$ 18,5 bilhões reservados para 2021, folga que permitiu ao governo Bolsonaro liberar quase R$ 1 bilhão para os deputados votarem a PEC dos Precatórios entre a semana passada e esta terça-feira (9).

“Depois de tantos bons serviços prestados, o teto de gastos está sendo sacrificado no altar do populismo fiscal, na esperança de que os deuses tragam uma chuva de votos para os deputados do Centrão”, disse em nota o economista do Mackenzie, Josilmar Cordenonssi Cia.

E o resultado para contornar todo o afrouxamento das regras fiscais, segundo o economista, será sentido no bolso do contribuinte, que terá de lidar com uma taxa de juros maior para controlar a inflação, que deve fechar o ano próximo dos 10% e vai deixar literalmente tudo mais caro.

“Apesar de termos apresentados resultados fiscais bastante promissores, nossas lideranças estão jogando fora todo o esforço realizado em troca de vantagens eleitorais bastante duvidosas. Com o fim prematuro do teto de gastos, o Banco Central terá que subir a taxa Selic acima do que seria necessário”, completou o professor.

STF deve mudar regra do orçamento secreto

Para dar mais transparência aos gastos da emenda de relator, o Supremo Tribunal Federal (STF) debate uma espécie de intervenção branca no orçamento do Legislativo, alterando a forma como essas emendas controladas pela cúpula do Congresso são identificadas.

Ministros da Suprema Corte avaliam a manutenção do dispositivo, mas querem transparência nos repasses, tornando público quem recebe o dinheiro e como ele é gasto. Na prática do mundo político isso inviabiliza as negociações de bastidores, uma vez que o preço das emendas não é fixo e o governo pode pagar mais caro pelo voto de um parlamentar e menos pelo de outro.

O tema deve ser finalizado ainda nesta quarta-feira (10), mas já existe maioria para barrar os pagamentos feitos entre a semana passada e ontem.

Bolsonaro criticou o que considera intervenção entre poderes, mas nesta quarta-feira (10), o vice-presidente Hamilton Mourão defendeu a leitura do STF e criticou o esquema de pagamentos de emendas sem identificação.

“Acho que os princípios da administração pública, de legalidade, de impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência não estavam sendo respeitados nessa forma aí de execução orçamentária. Então, eu acho que a intervenção do STF foi oportuna”, disse o vice.






Tópicos

auxilio brasil auxilio brasil cadastro auxílio brasil quem tem direito? Auxílio Brasil valor auxílio emergencial auxilio emergencial consulta auxílio emergencial prorrogado Bolsonaro Bolsonaro eleições brizola Calote Câmara Centrão Ciro Ciro Gomes Comissão de Precatórios da Ordem dos Advogados do Brasil Como consultar precatórios pelo CPF? como se cadastrar no Auxílio Brasil? como votaram os deputados na PEC dos precatórios? como votou cada partido na pec dos precatórios compra de votos Congresso consultar precatório pelo cpf deputados que votaram a favor da pec dos precatórios dívidas da união dívidas judiciais Doria Eduardo Gouvêa eleições eleições 2022 eleitoreiro emendas de relator Fernando Bezerra fura teto Fux governo GUEDES inconstitucional inflação IPCA João Paulo Linhares Rocha Josilmar Cordenonssi Cia junho lançamento lideranças lista de precatórios a serem pagos em 2020 lista de precatórios a serem pagos em 2021 marcelo ramos Marcelo Tostes Advogados mensalão ministério da cidadania auxílio emergencial telefone ministério da cidadania contestação auxílio emergencial o que diz a pec dos precatórios O que é a PEC dos Precatórios? o que é o orçamento secreto o que é orçamento secreto o que é orçamento secreto do governo o que é precatório O que é precatório e como funciona o que muda com a PEC dos Precatórios? o que pec dos precatórios o que são os precatórios do governo O que são os precatórios? o que são precatórios? o que significa precatório? OAB orçamento impositivo orçamento secreto orçamento secreto bolsonaro orçamento secreto stf Pacheco pagamento pagamento da dívida pública pagamento de precatórios parcelamento de precatório Paulo Guedes PDT pdt e psb PEC pec dos precatórios 2021 o que significa PEC dos Precatórios o que é? PEC EMERGENCIAL pedalada fiscal pedaladas pesquisa Por que a PEC é polêmica? precatório parcelado precatórios precatórios 2021 sp precatórios 2021 tjsp precatórios 2022 precatórios brasil precatórios do fundeb precatórios do fundef precatórios inss precatórios o que é precatórios sp precatórios sp consulta pelo cpf precatórios tjsp precatórios trf3 projeto de emenda constitucional Qual a data da 6 parcela do auxílio? Qual a data da 7 parcela do auxílio emergencial? quando vou receber meu precatório? Quanto tempo demora para receber um precatório? Quem votou na pec dos precatórios reajuste de salários refis reforma do IR regramento renda cidadã reunião Rocha Rosa Weber rosa weber orçamento secreto salários servidores setor público SP STF stf ao vivo stf orçamento Stf votação superprecatório suspensão taxa Selic texto da pec dos precatórios texto da pec dos precatórios 2021 vinculação votação da pec dos precarórios votacao pec precatorios votacao stf orçamento secreto