Economia

Orçamento 2022: veja os principais cortes feito pelo governo Bolsonaro

Crédito: Arquivo / Agência Brasil

O Orçamento de 2022 é o maior da história, com espaço de R$ 89 bilhões para o Auxílio Brasil (Crédito: Arquivo / Agência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro vetou R$ 3,184 bilhões do Orçamento de 2022. O tamanho do corte é superior aos R$ 2,8 bilhões anunciados por Bolsonaro no fim de semana, mas bem abaixo do valor sugerido pelo Ministério da Economia, que apontou necessidade de recompor R$ 9 bilhões em despesas obrigatórias neste ano.

O Orçamento de 2022 é o maior da história, com espaço de R$ 89 bilhões para o Auxílio Brasil, programa que substituiu o Bolsa Família. A lei estima a receita da União para 2022 em R$ 4,7 trilhões, com despesa de igual valor, dos quais R$ 1,884 trilhão destinados para refinanciamento da dívida pública federal. Veja os principais cortes:



Recurso para servidores

O presidente sancionou a verba de R$ 1,7 bilhão para o reajuste de servidores públicos federais no Orçamento de 2022. O recurso foi negociado para atender os policiais federais, grupo estratégico para Bolsonaro em ano eleitoral, e causou reação de outras categorias do funcionalismo público. O reajuste efetivo ainda dependerá de atos do Executivo.

+ Orçamento de 2022 prevê abertura de 43.192 vagas no serviço público federal

Pesquisas científicas

Os cortes também atingiram projetos de pesquisas científicas em universidades e a popularização da ciência nas unidades de pesquisa do Ministério da Ciência e Tecnologia, em um valor total de R$ 429 mil. Além disso, o presidente cortou R$ 11 milhões que iriam para pesquisa e desenvolvimento tecnológico em saúde da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

+ Especialista revela o segredo dos bilionários da bolsa. Inscreva-se agora e aprenda!



Políticas públicas para indígenas e quilombolas

Neste segmento, o governo cortou a verba para regularização, demarcação e fiscalização de terras indígenas e proteção dos povos indígenas isolados, no valor de R$ 773 mil. Ainda para os indígenas, foi vetado o orçamento para a proteção e promoção dos direitos dos povos indígenas em R$ 859 mil. Já para os quilombolas foi vetado o orçamento para reconhecimento e indenização de territórios em R$ 85 mil.

Veja os cortes nos demais ministérios:

Trabalho: R$ 1 bilhão;

Educação: R$ 739,9 milhões;

Desenvolvimento Regional: R$ 458,7 milhões;

Cidadania: R$ 284,3 milhões;

Infraestrutura: R$ 177,8 milhões;

Agricultura: R$ 87,2 milhões;

Saúde: R$ 74,2 milhões;

Ciência, Tecnologia e Inovações: R$ 73 milhões;

Comunicações: R$ 63,5 milhões;

Defesa: R$ 62,1 milhões;

Justiça e Segurança Pública: R$ 54,8 milhões;

Meio Ambiente: R$ 35,1 milhões;

Turismo: R$ 35,1 milhões;

Mulher, Família e Direitos Humanos: R$ 16,5 milhões;

Minas e Energia: R$ 11,4 milhões;

Relações Exteriores: R$ 3,6 milhões;

Presidência da República: R$ 1,8 milhão;

Banco Central: R$ 100 mil;

Ministério da Economia: R$ 100 mil.