Giro

Oposição pede ao TCU suspensão de medidas preparatórias para privatização da Eletrobras

Oposição pede ao TCU suspensão de medidas preparatórias para privatização da Eletrobras

Logo da Eletrobras



Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) – Parlamentares de partidos da oposição encaminharam nesta terça-feira um documento em que pedem ao Tribunal de Contas da União (TCU) a concessão de medida cautelar para suspender qualquer medida preparatória que envolva a privatização da Eletrobras.

Encaminhado ao ministro do TCU Aroldo Cedraz, relator do caso, e assinado por 16 parlamentares dos partidos PT, PCdoB, Rede, PSOL, PSB e PDT, o ofício pede que “o Ministério de Minas e Energia e a Eletrobras se abstenham de realizar qualquer ato ou ação preparatória para a desestatização” da empresa até que as propostas de fiscalização da corte e as solicitadas pelos deputados sejam concluídas.

Os parlamentares também pedem que o processo ocorra apenas depois de analisados os “pontos” levados ao tribunal, que vai retomar na quarta-feira sua última análise sobre a privatização da Eletrobras.



“Diante do iminente perigo desta operação para as finanças da Eletrobras e do erário público… evidencia-se a necessária e urgente atuação desta Corte de Contas no sentido de suspender todas as tratativas e iniciativas empresariais que visam a venda de ativos da empresa”, pedem os parlamentares.

“O TCU, que tem por missão avaliar a regularidade do processo de capitalização e evitar prejuízos ao erário público, não pode, em hipótese alguma, tomar uma decisão em relação à continuidade do processo de privatização, sem que antes a sua área técnica conclua essa fiscalização”, diz a peça encaminhada nesta terça-feira pelos parlamentares.

Os integrantes da oposição lembram ainda que foram aprovadas na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara duas propostas de fiscalização que ainda não tiveram todo o seu trâmite concluído. Elas tratam, segundo o ofício, de “questionamentos sobre as fragilidades técnicas, jurídicas e econômicas das premissas básicas possivelmente adotadas no processo de avaliação da venda dos ativos da Eletrobras”.


“É evidente, portanto, que não se pode autorizar a privatização da empresa antes que tais fiscalizações, aprovadas pela Comissão de Fiscalização Financeira e Controle, sejam devolvidas à Câmara dos Deputados para que sejam julgadas pelo colegiado solicitante.”

Em teleconferência para comentar o balanço trimestral nesta terça-feira, o CEO da Eletrobras, Rodrigo Limp, afirmou que a estatal pretende realizar a oferta de capitalização “o quanto antes”, possivelmente em junho, ainda que a data limite para a operação com base nos resultados financeiros do primeiro trimestre seja em meados de agosto. Para ele, o melhor cenário é a realização “no menor prazo possível”.

tagreuters.com2022binary_LYNXNPEI4G197-BASEIMAGE