Economia

Opep e parceiros devem manter cortes na produção até fim de 2018, diz saudita

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e o grupo de grandes produtores liderados pela Rússia deverão cumprir o acordo de limitar a produção da commodity até o fim de 2018, uma vez que a tarefa de reequilibrar o mercado ainda não foi concluída, mas eles dispõem de oferta suficiente com a qual podem responder a quaisquer interrupções repentinas, disse hoje o ministro de Energia da Arábia Saudita, Khalid al-Falih.

“Nossa projeção é de os estoques não cairão significativamente nos próximos quatro meses, exatamente como temos visto em 2017”, disse Falih a repórteres em Riad.

Já a oferta de países que não participam do acordo de redução na produção do petróleo, incluindo os EUA, continuará crescendo nesse meio tempo.

“Sendo assim, vamos esperar para ver a exata taxa de diminuição (dos estoques) no segundo trimestre e vamos revisá-la em junho, com a expectativa, a menos que algo inesperado aconteça, de que não mudaremos a trajetória no segundo semestre do ano”, declarou Falih.

Na última quinta-feira, a Opep, Rússia e outros grandes produtores que controlam cerca de 60% da oferta mundial de petróleo prometeram em Viena continuar reduzindo a produção combinada em cerca de 1,8 milhão de barris por dia até o fim de próximo ano. Anteriormente, o pacto iria vencer em março.

A renovação do acordo veio num momento decisivo para a indústria petrolífera, que atravessa uma recuperação ainda frágil. Os cortes na produção estão em vigor desde janeiro.

Na semana passada, contudo, a Opep e parceiros disseram que poderão rever a necessidade de manter os atuais limites de produção quando voltarem a se reunir, em junho, a pedido da Rússia. Isso significa que os cortes poderão ser suspensos antes do previsto se houver uma avaliação de que os preços em alta estão ajudando produtores de óleo de xisto dos EUA, em detrimento de países que estão contendo sua produção.

Falih ressaltou, no entanto, que os produtores ainda têm “capacidade ociosa próxima de 2 milhões de barris”. O ministro saudita falou após se reunir com o Secretário de Energia dos EUA, Rick Perry. Fonte: Dow Jones Newswires.

Veja também

+ Caixa libera FGTS emergencial para nascidos em julho nesta segunda-feira (10)

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Carol Nakamura anuncia terceira prótese: ‘Senti falta de seios maiores’

+ Ex-Ken humano, Jéssica Alves exibe visual e web critica: ‘Tá deformada’

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?