Giro

Open delivery: entenda a tecnologia que une pedidos de vários marketplaces

Crédito: Pixabay

Os restaurantes poderão padronizar os cardápios e pedidos em vários marketplaces (Crédito: Pixabay)

O open delivery, criado pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), é um sistema que padroniza os serviços de delivery gratuitamente na internet. Os restaurantes poderão padronizar os cardápios e pedidos em vários marketplaces diferentes que adotarem a tecnologia. O mecanismo está em fase de testes, mas a expectativa é de que os players do mercado adotem o sistema até o final do ano. Hoje, nos aplicativos já conhecidos, como iFood e Rappi, os restaurantes passam por várias etapas para publicar e alterar o cardápio em cada plataforma em que fazem suas vendas. Com o padrão open delivery, a publicação do cardápio se dará automaticamente nos marketplaces, assim como alterações que façam ao longo do tempo.

“Os restaurantes que tiverem acesso à padronização vão distribuir o cardápio pelo sistema e receber todos os pedidos em um lugar só, de forma padronizada. Não é um aplicativo, uma plataforma, ou um sistema, portanto, não faz o contato do restaurante com o cliente. O open delivery, por ser uma tecnologia, é invisível, mas ao padronizar protocolos, permite mais segurança e conforto aos envolvidos”, disse Celio Salles, conselheiro de administração nacional da Abrasel, ao portal Uol.

Zé Delivery, app de entrega de bebida gelada da Ambev, tem recorde de vendas

Para um restaurante aderir ao open delivery é preciso que o seu software, o dos aplicativos ou das adquirentes implementem a tecnologia. “Qualquer software que decidir aderir ao open delivery pode oferecer os serviços. Também podem participar adquirentes do sistema financeiro. Até o Google poderá oferecer o open delivery, se quiser”, afirma Salles.



Para a Abrasel, a iniciativa vai reduzir o número de erros nos pedidos e fazer com que cheguem de forma organizada em uma mesma tela. Assim, os restaurantes devem conseguir estar em mais marketplaces ao mesmo tempo, aumentando a competitividade do mercado.

“Se o restaurante tem mais de um marketplace parceiro, cada um tem seu sistema separado. Os pedidos chegam em locais diferentes e, por isso, a maioria dos restaurantes consegue estar em, no máximo, três ou quatro plataformas”, explicou Salles.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago