On-line: básico. off-line: mais experiências

Uma pesquisa encomendada pela empresa de capital de risco Coefficient Capital com 3,5 mil pessoas revela como a pandemia modelou hábitos de consumo. Os entrevistados disseram ter gostado de fazer compras on-line, especialmente nas categorias de mercearia e animais de estimação. O hábito do e-commerce foi mantido quanto a pandemia diminuiu de intensidade, mas apenas para os itens recorrentes.

Dan Frommer, fundador da The New Consumer, que coordenou a pesquisa, afirmou que isso ocorre pelo fato de esses segmentos serem aqueles em que o em que o consumidor sabe exatamente o que quer e só precisa reabastecer o estoque. “As compras óbvias continuarão on-line”, disse Frommer.

“As compras intencionais – descobrir, socializar, aprender – continuarão a acontecer nas lojas.” Um supermercado, por exemplo, tende a seguir um modelo como o Eataly, com abordagens que levam ao único, ao conhecimento e à experiência.

(Nota publicada na edição 1204 da Revista Dinheiro)



Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago


Sobre o autor


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.