Giro

OMS desaconselha tratar covid-19 com plasma convalescente

Crédito: Robson Valverde / SES - SC

A decisão foi tomada por um painel independente de especialistas (Crédito: Robson Valverde / SES - SC)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) desaconselhou tratar a covid-19 com plasma convalescente independente do quadro de severidade da doença, em uma nova atualização de suas diretrizes terapêuticas. A entidade, porém, abriu uma exceção: o uso do tratamento em pacientes graves e críticos em estudos clínicos. Em casos leves e moderados, a utilização é “fortemente” não recomendada.



O tratamento por plasma convalescente consiste na transfusão de plasma sanguíneo de alguém que se recuperou da doença em um enfermo. Essa foi a sétima atualização das diretrizes da organização desde o início da pandemia. A decisão foi tomada por um painel independente de especialistas, o grupo de desenvolvimento de diretrizes (GDG, na sigla em inglês), que analisou dados de 16 ensaios clínicos, que testaram o tratamento em mais de 16 mil pacientes com quadros não graves, graves e críticos da infecção.

No Brasil, em 2020, conforme revelou o Estadão, a transfusão de plasma era foco de ao menos 26 estudos clínicos, a maioria não concluída ou com resultados inconclusivos. Na época, cientistas brasileiros disseram que resultados dos primeiros estudos no País e no mundo mostravam que a terapia era segura e promissora. Por limitações na metodologia das pesquisas ou número pequeno de participantes, nenhuma delas permitia afirmar que o tratamento reduzia significativamente o risco de morte pelo novo coronavírus.

Espanha aprova vacinação contra Covid para crianças de 5 a 11 anos

As evidências atuais, segundo a OMS, porém, mostram que esse tipo de tratamento não melhora a sobrevida nem reduz a necessidade de ventilação mecânica do paciente. O plasma convalescente “não traz nenhum benefício para pacientes não graves”, avalia a organização.

+ O economista Paulo Gala revela os caminhos para investir bem em 2022



O grupo de pesquisadores ainda destaca que o tratamento com plasma “está associado a requisitos de recursos significativos”. Isso porque há um custo agregado elevado na identificação de potenciais doadores; no teste do plasma deles para garantir títulos adequados de anticorpos anti-SARS-CoV-2; e na coleta, transporte, armazenamento e administração do hemoderivado.

Além disso, indicaram haver dificuldades regulatórias na maioria das jurisdições relacionadas à transfusão de produtos sanguíneos pelo mundo. E que, ao serem consultados, a maior parte dos pacientes bem informados disse preferir não receber tratamento com plasma.

Por outro lado, os dados avaliados pelos pesquisadores indicaram baixo risco de danos associados à transfusão do hemoderivado – eles destacam que isso não significa que o risco do procedimento seja nulo. O grupo considerou como moderada a chance de reação alérgica, lesão pulmonar aguda (Trali) e sobrecarga circulatória (Taco).

Estudos em casos críticos

No caso de infecções graves e críticas, porém, ainda há incerteza sobre a eficiência do tratamento, por isso, os cientistas orientam a continuidade de estudos. “A recomendação de uso somente em testes clínicos é apropriada quando as evidências são de baixa certeza, e pesquisas futuras têm potencial para reduzir a incerteza sobre os efeitos da intervenção a um custo razoável”, justificaram na diretriz.

O painel de pesquisadores também deu orientações sobre como devem ser essas pesquisas futuras. Produtos de alto título (quantidade) de anticorpos e pacientes soronegativos (sem anticorpos) devem ser prioridade, indicaram. O grupo ainda destacou a necessidade de que estudiosos indiquem a quantidade de anticorpos do doador e o volume deles infundido. A maioria dos estudos analisados, aponta o painel, não relataram essas informações.


Saiba mais
+ SP: Homem morre em pé, encostado em carro, e cena assusta moradores no litoral
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ Andressa Urach pede dinheiro na internet: ‘Me ajudem a pagar a fatura do meu cartão’
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto

Tópicos

anticorpos anticorpos covid coronavírus covid diretrizes GDG mutações nova variante nome das vacinas do covid Noruega nova cepa nova cepa impacto economia brasileira nova cepa omicron nova onda de infecções nova variante nova variante 2021 Nova variante África do Sul Nova fronteiras nova variante áfrica do sul tem vacina? Nova variante covid África do Sul nova variante da covid-19 nova variante delta nova variante do coronavírus Nova Variante EUA lockdown Fauci nova variante EUA restrições nova variante quatro continentes novo coronavírus novo virus omicron omicrom omicron omicron alfabeto grego Ômicron ameaça ômicron casos Brasil Ômicron confirmada no Distrito Federal Ômicron contágio omicron covid Ômicron DF Ômicron Distrito FEderal ômicron Estados Unidos Anthony Fauci Ômicron EUA Ômicron fronteiras ômicron impacto mercados financeiros ômicron moderna vacina ineficazes Ômicron mutações Ômicron nova variante ômicron OMS ameaça mundial Ômicron onde surgiu Ômicron países já atingidos Ômicron poder de infecção ômicron presença países ômicron reino unido omicron significado grego omicron sintomas ômicron vacinas ômicron volatilidade ações bolsas Ômicron voos países africanos Ômicronimpacto atividade econômica OMS organização mundial da saúde Organização Mundial da Saúde (OMS) para o combate à Covid-19 David Nabarro Organização Pan-Americana da Saúde pacientes pacientes graves COVID pacientes soronegativos pandemia pcr covid Pfizer pfizer omicron PLASMA plasma convalescente plasma sanguíneo pode tomar a vacina do covid gripada? por que o ano novo em salvador foi cancelado? por que se comemora o ano novo presidente da Comissão Europeia Ursula von der Leyen variante áfrica do sul proteína spike quadros não graves quais os sintomas da nova variante delta quais os sintomas da nova variante Ômicron quais os sintomas da variante delta? qual é o primeiro país a entrar no ano novo? qual é o significado do ano novo qual melhor vacina contra covid? qual melhor vacina covid quanto tempo o covid fica no corpo? quinta onda Covid Recife Reino Unido réveillon Rio Grande do Sul SARS-CoV-2 testes clínicos tratamento uso de máscaras vacina vacina contra covid vacinal vacinas variante variante áfrica do sul variante áfrica do sul ações bola variante áfrica do sul contágio variante áfrica do sul defesa variante África do Sul disseminação variante áfrica do sul eficácia vacinas variante África do Sul Europa variante África do Sul fronteiras variante áfrica do sul impacto bolsas variante África do Sul imunizantes variante áfrica do sul países variante África do Sul países atingidos variante África do Sul pesquisa variante áfrica do sul presença variante áfrica do sul vacinas variante B.1.1.529 África variante B.1.1.529 África do Sul muitas mutações variante coronavirus variante covid-19 variante delta Variante delta 2021 Variante delta Auckland variante delta austrália variante delta brasil Variante delta como testar Variante delta eficácia variante delta mais letal variante delta Nova Zelãndia variante delta países Variante delta rio variante delta volta variante omicron variante Ômicron no rio variante Ômicron Rio de Janeiro variante omicron sintomas variante omicron vacina vírus