Edição nº 1104 18.01 Ver ediçõs anteriores

O todo-poderoso BC de Alvaro Dias

O todo-poderoso BC de Alvaro Dias

O senador Alvaro Dias (Podemos-PR) deixou claro o que pretende fazer com o Banco Central caso seja eleito presidente do Brasil. “O BC tem que ter independência”, diz o candidato. E explicou como pretende fazer com que o spread bancário caia. “A Selic cai, mas as taxas de juros do mercado continuam elevadas. Quem decide? É o BC? Não! São os quatro grandes bancos.” E continua dando um exemplo do que pretende implementar. “Em Portugal, quem decide a taxa de juros dos cartões é o banco central deles.” Dias foi o primeiro entrevistado da série Sabatina dos presidenciáveis, da revista Istoé. O próximo, na terça-feira, 29 de maio, é o candidato Flavio Rocha (PRB).

(Nota publicada na Edição 1071 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Cláudio Gradilone)


Mais posts

Multilaser agora fala mandarim

A China é crucial na estratégia da Multilaser de oferecer um portfólio de 3,5 mil produtos a preços que caibam no bolso dos [...]

História sem fronteira

A Dentro da História, uma startup de Campinas que já vendeu 250 mil livros personalizados em dois anos de operação, vai em busca do [...]

Duplicatas do trilhão

A regulamentação da duplicata eletrônica deve impulsionar o mercado de crédito. Segundo a Central de Registro de Direitos Creditórios (CRDC), o estoque de empréstimos lastreados em duplicatas pode chegar a R$ 1,215 trilhão ao ano em 2023, crescimento de 43% contra os R$ 849 bilhões no fim de 2018. “A duplicata eletrônica vai facilitar o […]

Escola de empreendedorismo

Segundo números divulgados pelo IBGE, em outubro de 2018, o Brasil acumula três anos seguidos de saldo negativo de empresas formais. De [...]

Charge da semana

(Nota publicada na Edição 1104 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Carlos Eduardo Valim, Felipe Mendes e Moacir Drska)
Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.