Edição nº 1096 15.11 Ver ediçõs anteriores

O tango da CVC

O tango da CVC

Em maio do ano passado, Luiz Eduardo Falco, CEO da CVC Corp, a maior operadora de turismo do continente, disse à coluna que estava de olho em empresas na América Latina. Pois bem, na semana passada a companhia adquiriu 60,6% do controle acionário das empresas argentinas Biblos e Avantrip por US$ 5,3 milhões e outros 60% da também argentina Ola Transatlântica por US$ 14 milhões. Essas aquisições se somam a outras seis empresas brasileiras compradas nos últimos três anos por um total de R$ 1,2 bilhão. Indagado se a crise na Argentina acelerou o processo de compra que já vinha sendo negociado há mais de um ano, Falco é enfático. “No Brasil, quando há uma maxidesvalorização do dólar, o gringo entra comprando. No caso da Argentina, nós somos os gringos.” Com o negócio, as reservas do grupo CVC devem chegar no patamar de R$ 16 bilhões por ano e as compras são cirúrgicas. “O Brasil é o principal destino dos argentinos. Tem muita sinergia para a gente.”

 

Os voos de Falco

Falco, que coordenou a abertura de capital e é responsável pela estratégia de aquisições da companhia, já anunciou que sairá do comando do grupo em janeiro de 2019. “Devo permanecer no conselho, mas isso vai depender dos outros acionistas”, diz ele. Dono de uma fatia de 3,5% da CVC, ele diz que pretende “não trabalhar mais as sextas-feiras”. Mas isso não é tão simples assim. Ele ainda é conselheiro da ABC, do grupo Algar, e também é acionista da Two Flex, empresa de aviação de transporte cargas e que também opera voos regionais. “Temos 18 aeronaves pequenas que fazem rotas como Garibaldi, Caxias do Sul, entre outras”, diz Falco. O executivo também é sócio da Flex, que faz manutenção de jatos executivos.

(Nota publicada na Edição 1086 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Cláudio Gradilone e Priscilla Arroyo)


Mais posts

Lugar de empresa é no parque

O Instituto Semeia, ONG criada pelo co-fundador da Natura, Pedro Passos, quer aproveitar a onda pró-privatizações do futuro governo [...]

Não é fácil ganhar R$ 120 milhões

O médico e empresário Adiel Fares, dono da rede de clinicas médicas que leva seu sobrenome, já está com o balanço financeiro de 2018 [...]

O ‘delay’ da crise

Pesquisa da Fundação Dom Cabral (FDC) pode ajudá-lo a entender a dinâmica da economia. Lívia Barakat, coordenadora do estudo [...]

Missão quase impossível

Um grupo formado por 70 empresas credoras do consórcio Sinopec/Galvão Engenharia acaba de ser constituído para tentar uma missão quase impossível: reaver cerca de R$ 120 milhões. O consórcio formado entre a chinesa Sinopec e a brasileira Galvão Engenharia era responsável pela construção da fábrica UFN 3 (unidade de fertilizantes nitrogenados), em Três Lagoas (MS). […]

Frase da semana

“Não há guinada à direita. O PSDB é um partido de centro. É importante para o Brasil ter um partido longe dos extremos. Um partido de [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.