Edição nº 1150 09.12 Ver ediçõs anteriores

O tabuleiro comercial de Trump

O tabuleiro comercial de Trump

Donald Trump, o bedel das confusões que assusta o mundo, “trucou” de novo. Fechou o acordo do Nafta entre o seu país e o México para aliviar as tensões no plano comercial. Foi uma volta atrás no que ele defendia antes em relação a essa parceria. Mas o estratégico movimento sinalizou uma busca de aliados após a abertura de outras frentes de conflito nesse campo, especialmente com a China, cujos estragos já estão sendo sentidos. O presidente americano mirou todo o seu arsenal de retaliações tarifárias contra o adversário asiático por ver nele seu maior rival pela hegemonia do mercado global. A reaproximação com o México, por sua vez, coloca o parceiro latino na condição de “suporte” acidental ao seu intento de expandir trincheiras de resistência pelo continente.

A versão preliminar da aliança revisada não inclui os canadenses. Esses precisam ainda sentar à mesa para negociar os termos do bloco – em vigor desde 1994, mas suspenso temporariamente desde que Trump assumiu o poder. Na prática e no cômputo do desempenho obtido até aqui, o Nafta movimenta anualmente mais de US$ 1 trilhão. Mexe, naturalmente, com vizinhos que não estão dentro dele. O Brasil, especialmente, que pode experimentar queda nas encomendas de autopeças por indústrias mexicanas. Essa virada, que gera incerteza por aqui, foi mais um fator a mexer com o câmbio, ampliando a distância entre o real e o dólar – já bastante turbinada pelas indefinições políticas.

Se, por um lado, a alta do dólar torna as exportações mais rentáveis, por outro compromete praticamente toda a linha produtiva do País que necessita de matéria-prima vinda de fora. Analistas já preveem que, mesmo após as eleições, o dólar deva terminar o ano cotado na casa de R$ 3,75, portanto acima do que vinha valendo até recentemente. Por essa variável cambial, o Brasil passa a ser mais um integrante do clube de maiores prejudicados pelas políticas externas de Trump – sem contar as taxações aplicadas por ele ao aço e alumínio nacionais. Trump não adere a diplomacia quando o assunto é ofensiva comercial dos EUA. Ao contrário.

A truculência nas ações segue como sua maior característica, em muitos casos quebrando com os acordos construídos ao longo de anos. Com o Nafta não foi diferente. Ele primeiro exigiu a revisão de vários compromissos, em itens prioritários que vigoravam, para só depois dar seu aval a adesão. O roteiro de comportamento de Trump, invariavelmente, prima pelo desprezo a compromissos multilaterais. Não será nenhuma surpresa se ele não chegar a um entendimento com os canadenses. E nem mesmo a anulação, mais adiante, do Nafta pode ser descartada. Basta uma virada no humor desse senhor.

(Nota publicada na Edição 1085 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Ao vosso reino, nada!

Há de se perguntar aonde essa relação do Brasil com os EUA vai chegar. A indagação procede. Ainda mais no momento em que o presidente [...]

O mau sinal do câmbio

O dólar nas alturas sinaliza o descrédito do Brasil junto aos investidores externos. O receio no meio dessa turma é crescente. Algumas [...]

Pé no freio com as reformas

Dois pilares de transformação da economia vêm sofrendo desgastes na sua estrutura. As prometidas reformas administrativa e tributária [...]

Pacote aumenta desemprego

Ao menos no que tange à ideia de incentivo à geração de empregos, o novo pacote anunciado na semana passada com pompa por Bolsonaro e o [...]

A revolução em pacote

Em estilo midiático, com direito a travessia a pé pela esplanada dos ministérios até o Congresso, a esquadra do governo, comandada em [...]
Ver mais