Edição nº 1057 16.02 Ver ediçõs anteriores

O show não pode parar

Em tempos de Lava Jato, os mares do Brasil estão especialmente agitados para alguns multimilionários que usufruem de belos iates às custas do dinheiro da corrupção. Mas os honestos que apreciam o luxo não precisam se preocupar: as supermáquinas aquáticas estão cada vez melhores e maiores. A São Paulo Boat Show, que ocorre em São Paulo neste mês, apresenta a primeira embarcação vendida no País com duas plataformas laterais retráteis, os chamados beach clubs. Ao serem conectadas à plataforma de popa central, criam um lounge com 18 m2. Trata-se do Intermarine 62 (fotos de 1 a 3), de 151,14 metros, ainda sem preço definido. Há barcos com valores que vão de R$ 59 mil a R$ 2,5 milhões. Dentre os mais caros está o veloz Azimut Verve 40 (foto 4), de R$ 2,5 milhões. Com 40 pés, ele supera os 40 nós de velocidade. Já o Armatti 480 Fly (foto 5), com 48 pés, possui três pavimentos e recebe até 14 passageiros. O preço? A partir de R$ 1,98 milhão.

(Nota publicada na Edição 1035 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Niemeyer e Véio são destaque em Milão

Uma exposição em Milão homenageia dois nomes importantes para a cultura brasileira: o arquiteto e designer Oscar Niemeyer (1) e o [...]

Festival da trufa

O chef francês Alain Ducasse criou um menu-degustação de sete etapas que tem a trufa negra como ingrediente principal. O menu é servido [...]

Inspiração brasileira

Os designers brasileiros Irmãos Campana criaram para a marca italiana Bisazza, fabricante de pastilhas e ladrilhos, uma coleção [...]

Viagem aconchegante

A companhia americana de cruzeiros Seabourn está com um novo navio em sua frota: o Ovation. A rota inaugural acontece em maio, saindo [...]

Drink de reis

Uma das atrações mais extravagantes do hotel Wynn, em Las Vegas, é um drink de US$ 10 mil chamado “The Ono”, variação do nome do deus [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.