O segundo empreendimento humanitário de Carlos Wizard

O segundo empreendimento humanitário de Carlos Wizard

Depois de quase dois anos vivendo em Roraima, ao lado de refugiados venezuelanos, o bilionário Carlos Wizard Martins, chairman do Grupo Sforza, começa uma nova missão humanitária: o combate à Covid-19. A inciativa de Wizard inclui a construção de um hospital de campanha em Campinas, no interior de São Paulo, além da doação de R$ 1 milhão ao hospital da Unicamp. O Hospital de Clínicas da universidade, que possui 30 leitos de UTI, ganhará mais 100 nas próximas semanas. A execução será feita em parceria com a ONG EDS (Expedicionários da Saúde), liderada pelo médico Ricardo Affonso Ferreira, que transferiu de Manaus para Campinas um hospital de campanha móvel. O transporte foi realizado a custo zero graças a uma parceria estabelecida com a Azul Linhas Aéreas, do empresário David Neeleman. Outra ação de Wizard será reverter 100% das vendas de seu livro Meu Maior Empreendimento, relato de suas experiências na fronteira do Brasil com a Venezuela. “Estava tudo pronto para rodar meu livro impresso, mas diante da situação vou distribuir em forma de e-book, a R$ 9,90. Para cada download do livro, vou doar igual valor para o combate ao coronavírus”, garante o empresário, que também vai doar R$ 1 por venda da rede Taco Bell feita por delivery. A estimativa é arrecadar R$ 100 mil durante o mês de abril para essa causa social. Assim como fez em Roraima, Wizard está usando sua rede de contatos para atrair doações de outros bilionários. Entre os que já se comprometeram em apoiar a causa estão Elie Horn, da Cyrela, e a família Safra. “É lamentável ver que essa doença tão grave, que obviamente não é uma gripezinha, tenha virado tema de palanque político no Brasil”, critica Wizard, sem citar nominalmente a controversa posição do presidente Jair Bolsonaro. “Tenho plena certeza que o distanciamento social é necessário para diluir o volume de atendimento urgente nos hospitais do País. Quando se tem amor ao próximo e espírito comunitário, facilmente se enxerga que a medida é fundamental, por enquanto”, diz o empresário, membro da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, popularmente conhecida como Igreja Mórmon. Durante o período em que esteve em Boa Vista, Wizard auxiliou mais de 12 mil refugiados a deixar Roraima e reiniciar a vida no Sul e Sudeste.

(Nota publicada na edição 1165 da Revista Dinheiro)

Veja também

+ Funcionário do Burger King é morto por causa de demora em pedido

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

Uma casa muito engraçada (e flexível)

O imóvel do futuro não será a casa de campo, os microapartamentos próximos a estações de metrô e nem os dúplex com varanda gourmet com [...]

Crescimento nas nuvens

O isolamento social e as mudanças nos hábitos de consumo estimulam as organizações a seguirem o mesmo caminho. Um levantamento da Arki 1, empresa de treinamento especializada em Google Cloud, teve alta de 752% em junho nas inscrições nos treinamentos para tecnologia em nuvem. Segundo o CEO Marcos Farias, a disseminação do ensino a distância […]

Faturamento de gente grande

O youtuber Luccas Neto, embora seja criticado por educadores e mães de crianças pequenas Brasil afora por causa de seus vídeos na [...]

Fundo ASG de R$ 5 bilhões

A gestora de capitais Integral Brei acaba de estruturar o primeiro Fundo Imobiliário ASG (Ambiental, Social e Governança) do País. O [...]

Os degraus da Hitachi ABB

A multinacional Hitachi ABB Power Grids, especializada em redes elétricas e criada a partir da união da japonesa Hitachi com a suíça [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.