Edição nº 1121 17.05 Ver ediçõs anteriores

O retrato do Brasil

O retrato do Brasil

O caso de uma fábrica de disjuntores e produtos elétricos de baixa e média tensão reformada pela multinacional francesa Schneider Electric, em Guararema (SP), em 2013, é o retrato do que vem acontecendo com o Brasil. “Investimos dezenas de milhões de euros e nos preparamos para um grande crescimento. Mas a crise econômica atrapalhou os planos”, diz Tania Cosentino, CEO da Schneider Electric para a América do Sul. Some-se a isso, a alta carga tributária, a baixa qualificação profissional, os problemas de logística e a greve dos caminhoneiros para deixar a matriz de cabelo em pé. “A vantagem é que estamos no Brasil há 70 anos e eles sabem do potencial do País”, diz Cosentino. Mesmo assim, fica cada vez mais difícil explicar as peculiaridades nacionais para os estrangeiros.

 

O futuro chegou?

Dona de um faturamento global de E 25 bilhões e mais de 150 mil funcionários, a companhia tem apostado boa parte de suas fichas na indústria 4.0. E o conceito também é adaptado nas chamadas cidades inteligentes, nas quais tudo pode ser controlado via sensores eletrônicos. E advinha qual é a primeira cidade sul-americana em que o grupo deve iniciar um trabalho de aproximação? Não, não é São Paulo, a maior metrópole do continente. “Vamos nos encontrar com o prefeito de Medellín, na Colômbia, para discutir isso”, diz Cosentino. “Ainda não há esse tipo de discussão no Brasil.”

 

Sem diferenças

A outra batalha da executiva é diminuir a diferença salarial entre homens e mulheres dentro da organização, e também trabalhar pelo empoderamento feminino e diversidade. “Atualmente, 20% dos cargos de alta gestão na companhia no mundo todo são ocupados por mulheres. A meta é alcançarmos 30% até 2020”, diz Cosentino. “O que não está na agenda de um CEO não acontece. Por isso, isso tem de estar na nossa agenda.” Em relação às diferenças salariais, entre homens e mulheres a média atual no continente sul-americano é de 2%. No setor, os homens costumam ganhar 30% a mais do que as mulheres que ocupam os mesmos cargos. “Hoje, 42% de nossas contratações são de mulheres.”

(Nota publicada na Edição 1073 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Machado da Costa e Márcio Kroehn)


Mais posts

Maconha liberada, lucro bilionário

Se fosse liberado, o mercado de cannabis acessível (maconha regulamentada e lícita) movimentaria cerca de US$ 2,4 bilhões no Brasil, [...]

O app de quem não tem plano

Pelos cálculos do Minis-tério da Saúde, uma consulta médica pelo SUS pode demorar mais de 12 meses em várias regiões do País. Ao [...]

“Demos uma jamanta para Bolsonaro dirigir, mas ele não tem habilidade para isso”

Antonio Setin, presidente da incorporadora Setin, se diz desapontado com o desempenho do governo do presidente Jair Bolsonaro. Para [...]

Aos 100 anos, Hilton vai apostar nos latinos

Prestes a celebrar o seu aniversário de 100 anos, a rede americana de hotéis de luxo vai apostar na expansão dos negócios na América do [...]

Andorinha voa mais alto

Pela primeira vez na história, o Azeite Andorinha, de Portugal, é líder no mercado brasileiro. Entre 2016 e 2018, as vendas cresceram [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.