Edição nº 1104 18.01 Ver ediçõs anteriores

O retrato do Brasil

O retrato do Brasil

O caso de uma fábrica de disjuntores e produtos elétricos de baixa e média tensão reformada pela multinacional francesa Schneider Electric, em Guararema (SP), em 2013, é o retrato do que vem acontecendo com o Brasil. “Investimos dezenas de milhões de euros e nos preparamos para um grande crescimento. Mas a crise econômica atrapalhou os planos”, diz Tania Cosentino, CEO da Schneider Electric para a América do Sul. Some-se a isso, a alta carga tributária, a baixa qualificação profissional, os problemas de logística e a greve dos caminhoneiros para deixar a matriz de cabelo em pé. “A vantagem é que estamos no Brasil há 70 anos e eles sabem do potencial do País”, diz Cosentino. Mesmo assim, fica cada vez mais difícil explicar as peculiaridades nacionais para os estrangeiros.

 

O futuro chegou?

Dona de um faturamento global de E 25 bilhões e mais de 150 mil funcionários, a companhia tem apostado boa parte de suas fichas na indústria 4.0. E o conceito também é adaptado nas chamadas cidades inteligentes, nas quais tudo pode ser controlado via sensores eletrônicos. E advinha qual é a primeira cidade sul-americana em que o grupo deve iniciar um trabalho de aproximação? Não, não é São Paulo, a maior metrópole do continente. “Vamos nos encontrar com o prefeito de Medellín, na Colômbia, para discutir isso”, diz Cosentino. “Ainda não há esse tipo de discussão no Brasil.”

 

Sem diferenças

A outra batalha da executiva é diminuir a diferença salarial entre homens e mulheres dentro da organização, e também trabalhar pelo empoderamento feminino e diversidade. “Atualmente, 20% dos cargos de alta gestão na companhia no mundo todo são ocupados por mulheres. A meta é alcançarmos 30% até 2020”, diz Cosentino. “O que não está na agenda de um CEO não acontece. Por isso, isso tem de estar na nossa agenda.” Em relação às diferenças salariais, entre homens e mulheres a média atual no continente sul-americano é de 2%. No setor, os homens costumam ganhar 30% a mais do que as mulheres que ocupam os mesmos cargos. “Hoje, 42% de nossas contratações são de mulheres.”

(Nota publicada na Edição 1073 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Machado da Costa e Márcio Kroehn)


Mais posts

Multilaser agora fala mandarim

Em 2002, a China entrou no roteiro de Alexandre Ostrowiecki, CEO da brasileira Multilaser, marca que vende desde computadores e [...]

História sem fronteira

A Dentro da História, uma startup de Campinas que já vendeu 250 mil livros personalizados em dois anos de operação, vai em busca do [...]

Duplicatas do trilhão

A regulamentação da duplicata eletrônica deve impulsionar o mercado de crédito. Segundo a Central de Registro de Direitos Creditórios (CRDC), o estoque de empréstimos lastreados em duplicatas pode chegar a R$ 1,215 trilhão ao ano em 2023, crescimento de 43% contra os R$ 849 bilhões no fim de 2018. “A duplicata eletrônica vai facilitar o […]

Escola de empreendedorismo

Segundo números divulgados pelo IBGE, em outubro de 2018, o Brasil acumula três anos seguidos de saldo negativo de empresas formais. De [...]

Charge da semana

(Nota publicada na Edição 1104 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Carlos Eduardo Valim, Felipe Mendes e Moacir Drska)
Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.