O relógio de R$ 710 mil

O relógio de R$ 710 mil

Há relógios e há o HM7 mariner, da marca Maximilian Büsser. Esqueça tudo o que você já leu ou ouviu falar sobre marcadores de tempo. Nada se compara a essa maravilha da relojoaria, criada pelos designers da equipe do criativo empresário suíço. Inspirado numa experiência da infância, na qual mergulhou entre dezenas de águas-vivas, Max – como ele gosta de ser chamado – idealizou um relógio que parece ter saído de um filme de ficção científica, com cristal de safira vermelha, pulseira de silicone e produção limitada a 25 peças. Como o próprio Max se orgulha em afirmar, sua empresa não fabrica relógios. Faz máquinas horológicas sob a grife MB&F (Maximilian Büsser & Friends). A propósito, para ter essa magnífica máquina no braço, você só precisa pagar US$ 165 mil (algo em torno de R$ 710 mil).

Divulgação

(Nota publicada na edição 1160 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O relógio do Tom Brady

Um dos assuntos mais comentados no mundo esportivo dos últimos dias foi a mudança de time do jogador de futebol americano Tom Brady, [...]

O novo batom da Lancôme

O novo batom da Lancôme Grife de cosméticos adorada por mulheres de todo o planeta, a Lancôme está com produto novo nas prateleiras. [...]

Um Montblanc em seus ouvidos

O mundo inteiro conhece a Montblanc por suas canetas e seus relógios de altíssimo luxo, com preços que não raro superam os R$ 100 mil. [...]

Uma festa de drinques e imagens

As décadas de 1920 e 30 são consideradas pelos especialistas a época de ouro dos coquetéis. Naqueles anos, foram criados alguns dos [...]

Empoderamento feminino

Os especialistas do mundo da relojoaria costumam se dirigir à A. Lange & Söhne como “uma marca lendária”. Não é para menos. Fundada [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.