O reinado do congresso

O reinado do congresso

Está consagrada a era do parlamentarismo branco no País. E não se atribua a qualquer golpe oportunista tamanha guinada de gestão por essas bandas. Parte do mandatário Bolsonaro, com a inabilidade política e os sinais trocados que emite, principalmente nas negociações com o Congresso, parcela significativa da culpa por essa situação. As idas e vindas no capítulo dos vetos ao orçamento impositivo deram o tom dos erros. Messias, até quando era parlamentar, endossou a ideia de tirar do Executivo o controle e poder de decisão sobre fatia gorda dessa verba. Negociou a seguir, já no Planalto, um acordo. Voltou atrás. Tornou a colocar a culpa nos antigos pares do Legislativo. Os ameaçou protagonizando até uma convocação para protestos de rua, nas redes sociais, em clara prática de crime de responsabilidade por incitar guerra de poderes. Recuou de novo. Propôs novo acerto. Um rateio da bufunfa que soma mais de R$ 30 bilhões. Nos bastidores, insistiu nas bravatas. Disse estar sendo chantageado. O assessor e ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, endossou a falácia e saiu à provocação. Mandou um sonoro “foda-se” aos pseudoamotinados da Câmara e do Senado. Com essa posição fechada no Planalto, Messias perdeu e segue perdendo credibilidade, em meio ao festival de hesitações que exibe. O Congresso se agigantou nos últimos tempos e cobra a fatura. Controla a pauta e nota a fragilidade de um Executivo que não sabe articular entendimentos. A agenda nacional passou, em definitivo, às mãos dos parlamentares. Eles ditam o que é importante ou não. Bolsonaro segue refém. Lamenta por demandas laterais, como a de seus pedidos por aumento no número de pontos na carteira de motorista antes da cassação e pelo fim dos radares nas estradas. Ele decerto faz pouco caso e dá de ombros para temas mais relevantes como as reformas administrativa e tributária. O “mito” diz não entender dos assuntos, mas na verdade não quer se meter e se comprometer com bandeiras tão caras e, de certa maneira, indigestas a sua claque de apoiadores que conta, entre outros, com servidores públicos. O capitão reformado entregou assim ao Legislativo, de mão beijada, a prevalência sobre a agenda nacional. Não adianta muxoxos e lamentos nos bastidores. O Brasil gastou um tempo enorme discutindo, em vão, o destino dos famigerados R$ 30 bilhões enquanto o governo arrecadou R$ 1,57 trilhão e segue pensando em aumento de impostos para atender a vinculações orçamentárias e custos da máquina inchada. O real problema é posto de lado enquanto prevalece o jogo de cena político que transforma o Congresso em protagonista e o Executivo em mero marionete.


Sobre o autor

Carlos José Marques é diretor editorial da Editora Três e escreve semanalmente os editoriais da revista DINHEIRO


Mais posts

Brasil despenca

Na escala de desempenho econômico, o Brasil acaba de cravar sua pior marca. No universo avaliado de 190 países, ele está ocupando uma [...]

A morte da economia

Pode parecer por demais dramático, mas os números não deixam muita margem a dúvidas. Quando da noite para o dia uma indústria inteira [...]

A salvação das empresas

A convicção está se formando em todos os ramos de atividade. Não há mais como negar o inevitável: a pandemia do coronavírus está [...]

O pró-Brasil dos gastos

Despesas para atender a estratégias populistas sempre estiveram nos planos eleitoreiros de governantes. Em tempos de crise, então, para [...]

O plano de saída

Setores produtivos começam a ficar inquietos. Trabalhadores reclamam da falta de renda. Negócios vão à falência. A roda da economia [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.