O que vem após a tragédia?

O que vem após a tragédia?

A vida infelizmente nos impõe fatalidades das quais nem homens e muito menos empresas estão livres. Por mais que tenhamos leis, normas, condutas, treinamentos e procedimentos, as decisões são realizadas por seres humanos, suscetíveis a erros, principalmente, quando colocados à prova por circunstâncias além das previstas.

Por mais que os padrões, normas e condutas estabelecidas para uma empresa que lida com gente sejam escritos com boas intenções, existe um elemento que ainda é fundamental para que a operação tenha resultado: o fator humano. O que é uma máquina registradora de um supermercado sem o operador, sem o atendimento? A maior parte das atividades de uma sociedade – dos negócios ao hospitais, do esporte à ciência – está intrinsecamente relacionada ao contato humano. E aí entram as idiossincrasias de cada um. Não importa o nível de treinamento, escolaridade e consciência de seus deveres, os indivíduos são passíveis de serem movidos pelo ódio, pelo preconceito, pela violência e pela desumanização – ou o resumo de tudo isso: pelo racismo, principalmente quando ele é estrutural em uma sociedade.

Quando esses sentimentos expõem suas vísceras, a contraposição se faz com indignação, potencializada por um sentimento cotidiano, nos dias atuais, que é o senso de justiça cada vez mais presente em nós que vivenciamos tempos de extremas injustiças. O que nos leva muitas vezes a querermos fazer justiça com  as próprias mãos, nos leva à cegueira sobre o que realmente deve ser feito: responsabilizar de fato os verdadeiros culpados, focar no problema e encontrar uma solução.

É obvio que a reincidência de casos parecidos como o que ocorreu em Porto Alegre mostra uma falha gravíssima na área de segurança do Carrefour. A rede deve assumir a responsabilidade – como o fez -, procurar os culpados e puni-los. Também deve ir além e tomar medidas exemplares para que nunca mais ocorra tamanha tragédia. Mas vale perguntar: o que vem depois disso? Continuar hostilizando os 80 mil funcionários da rede chamando-os de racistas que espancam e estrangulam pessoas até a morte? Será que os mais de 20 mil funcionários que se autodeclaram negros e negras na empresa também agiriam como aqueles seguranças, como muitas vezes se figurou nas redes sociais?

As justas manifestações de indignação, que tomaram conta do país de norte a sul, deveriam ser acompanhadas de uma carta de reivindicação pressionando a empresa a rever radicalmente sua linha de atuação com os consumidores. Foi assim nos Estados Unidos de George Floyd. A luta por uma sociedade mais justa se faz com manifestações, protestos e proposições. É assim que a humanidade tem vencido as barbáries, as guerras e seguido sua evolução.

Após o fatídico episódio, várias ações foram anunciadas pela empresa, entre as quais a iniciativa de tolerância zero para casos de discriminação e racismo, além da criação de um fundo de 25 milhões de reais para subsidiar ações de combate ao racismo. Se todos os pontos forem levados à frente, a empresa poderá se tornar a companhia que mais investirá na luta antirracista nos próximos anos, se tornando uma referência no mundo. É esse que deve ser o foco das atenções – a fiscalização de negros e brancos agora -, pois esse pode ser o farol do posicionamento de todo o mundo corporativo no Brasil. Ou podemos ficar protestando, xingando, sem propor e cobrar nada! Eu opto pela primeira opção.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Sobre o autor

O blog Diversidade Corporativa, de Mauricio Pestana, ex-secretário de Igualdade Racial do município de São Paulo, é um espaço destinado à reflexão e ao debate sobre o panorama da diversidade racial e de gênero no mundo empresarial. Traz temas relacionados a políticas afirmativas e inclusão social e apresenta soluções para fomentar o desenvolvimento socioeconômico da população historicamente excluída da economia e ambiente corporativo no Brasil


Mais colunas e blogs


Mais posts

No topo da liderança

Quais as barreiras, os limites que um homem ou uma mulher preta tem que enfrentar para chegar ao topo da carreira? Por que nas 500 [...]

A hora da diversidade é já

O Brasil e o mundo têm passando por transformações profundas. Um momento difícil, uma crise sem precedentes. Tempos de reavaliação de [...]

E sua empresa, quanto já gastou na luta antirracista?

Maio entrará para a história como mês em que palavras como racismo, inclusão, exclusão, diversidade e justiça foram mencionadas mundo [...]

A semana do 13 de maio

O artigo desta semana poderia começar como venho fazendo há mais de três anos nesta coluna, dando os números estarrecedores sobre as [...]

Coronavírus e a questão racial

Procuro sempre achar algo de positivo, mesmo diante das piores situações. Acredito que as crises sempre deixam um legado, seja no [...]
Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.