O que vem após a tragédia?

O que vem após a tragédia?

A vida infelizmente nos impõe fatalidades das quais nem homens e muito menos empresas estão livres. Por mais que tenhamos leis, normas, condutas, treinamentos e procedimentos, as decisões são realizadas por seres humanos, suscetíveis a erros, principalmente, quando colocados à prova por circunstâncias além das previstas.

Por mais que os padrões, normas e condutas estabelecidas para uma empresa que lida com gente sejam escritos com boas intenções, existe um elemento que ainda é fundamental para que a operação tenha resultado: o fator humano. O que é uma máquina registradora de um supermercado sem o operador, sem o atendimento? A maior parte das atividades de uma sociedade – dos negócios ao hospitais, do esporte à ciência – está intrinsecamente relacionada ao contato humano. E aí entram as idiossincrasias de cada um. Não importa o nível de treinamento, escolaridade e consciência de seus deveres, os indivíduos são passíveis de serem movidos pelo ódio, pelo preconceito, pela violência e pela desumanização – ou o resumo de tudo isso: pelo racismo, principalmente quando ele é estrutural em uma sociedade.

Quando esses sentimentos expõem suas vísceras, a contraposição se faz com indignação, potencializada por um sentimento cotidiano, nos dias atuais, que é o senso de justiça cada vez mais presente em nós que vivenciamos tempos de extremas injustiças. O que nos leva muitas vezes a querermos fazer justiça com  as próprias mãos, nos leva à cegueira sobre o que realmente deve ser feito: responsabilizar de fato os verdadeiros culpados, focar no problema e encontrar uma solução.

É obvio que a reincidência de casos parecidos como o que ocorreu em Porto Alegre mostra uma falha gravíssima na área de segurança do Carrefour. A rede deve assumir a responsabilidade – como o fez -, procurar os culpados e puni-los. Também deve ir além e tomar medidas exemplares para que nunca mais ocorra tamanha tragédia. Mas vale perguntar: o que vem depois disso? Continuar hostilizando os 80 mil funcionários da rede chamando-os de racistas que espancam e estrangulam pessoas até a morte? Será que os mais de 20 mil funcionários que se autodeclaram negros e negras na empresa também agiriam como aqueles seguranças, como muitas vezes se figurou nas redes sociais?

As justas manifestações de indignação, que tomaram conta do país de norte a sul, deveriam ser acompanhadas de uma carta de reivindicação pressionando a empresa a rever radicalmente sua linha de atuação com os consumidores. Foi assim nos Estados Unidos de George Floyd. A luta por uma sociedade mais justa se faz com manifestações, protestos e proposições. É assim que a humanidade tem vencido as barbáries, as guerras e seguido sua evolução.

Após o fatídico episódio, várias ações foram anunciadas pela empresa, entre as quais a iniciativa de tolerância zero para casos de discriminação e racismo, além da criação de um fundo de 25 milhões de reais para subsidiar ações de combate ao racismo. Se todos os pontos forem levados à frente, a empresa poderá se tornar a companhia que mais investirá na luta antirracista nos próximos anos, se tornando uma referência no mundo. É esse que deve ser o foco das atenções – a fiscalização de negros e brancos agora -, pois esse pode ser o farol do posicionamento de todo o mundo corporativo no Brasil. Ou podemos ficar protestando, xingando, sem propor e cobrar nada! Eu opto pela primeira opção.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Sobre o autor

O blog Diversidade Corporativa, de Mauricio Pestana, ex-secretário de Igualdade Racial do município de São Paulo, é um espaço destinado à reflexão e ao debate sobre o panorama da diversidade racial e de gênero no mundo empresarial. Traz temas relacionados a políticas afirmativas e inclusão social e apresenta soluções para fomentar o desenvolvimento socioeconômico da população historicamente excluída da economia e ambiente corporativo no Brasil


Mais posts

A hora da diversidade é já

O Brasil e o mundo têm passando por transformações profundas. Um momento difícil, uma crise sem precedentes. Tempos de reavaliação de [...]

E sua empresa, quanto já gastou na luta antirracista?

Maio entrará para a história como mês em que palavras como racismo, inclusão, exclusão, diversidade e justiça foram mencionadas mundo [...]

A semana do 13 de maio

O artigo desta semana poderia começar como venho fazendo há mais de três anos nesta coluna, dando os números estarrecedores sobre as [...]

Coronavírus e a questão racial

Procuro sempre achar algo de positivo, mesmo diante das piores situações. Acredito que as crises sempre deixam um legado, seja no [...]

O maior evento sobre diversidade e inclusão realizado no Brasil

Em um ano em que a economia encolheu e os investimentos em quaisquer áreas minguaram, o Fórum Brasil Diverso se consolida como o maior [...]
Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.