Economia

O que é, afinal, semipresidencialismo?

O presidente Michel Temer e o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes foram duas das autoridades a propor o sistema Semipresidencialista. A ideia seria adotar esse regime político a partir de 2023

O que é, afinal, semipresidencialismo?

O presidente Michel Temer lançou, nesta quarta, 23, um dos maiores planos de privatização nos últimos 15 anos

Nesta segunda-feira, 21, instigadas pela dificuldade em consenso em torno da Reforma Política, diversas autoridades brasileiras começaram a debater a ideia de transformar o Brasil em uma República Semipresidencialista. O presidente Michel Temer e o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes foram duas delas, por exemplo. A proposta seria adotar esse regime político a partir de 2023.

O que é , afinal, semipresidencialismo?

Segundo o criador da expressão “Semipresidencialismo”, o francês Maurice Duverger, esse é um sistema de governo no qual o Chefe de Estado é eleito pelo povo, tendo, assim, legitimidade democrática. Ele é responsável  pelo Parlamento e pode indicar o primeiro-ministro, que será o chefe do Executivo.

Dessa forma, o Chefe de Estado, que é eleito pelo povo, passa a ter poderes sobre o Executivo e o Legislativo, ao mesmo tempo. É como se ele reúne, em um único cargo, o de  presidente da República e o de presidente do Congresso.



Apesar de ser o chefe do Parlamente, o “eleito” pode ser destituído de seu cargo pelo Congresso em um processo que é mais simples do que o impeachment de um presidente. Basta a criação de uma moção pública, uma proposta do parlamente para retirar o presidente. Na prática, essa moção pública significa que o presidente perdeu a maioria do parlamento.

A diferença para o sistema parlamentarista é que esse Chefe de Estado possui poderes menores do que o primeiro-ministro, o chefe do Poder Executivo. Como disse Gilmar Mendes, no sistema semipresidencialista, o presidente seria o chefe de um poder Moderador – uma figura que não existe no Brasil desde 1889, quando o sistema político deixou de ser a Monarquia para se tornar Republicano. Segundo Mendes, o Semipresidencialismo combina o modelo presidencial brasileiro com o parlamentarismo.

De acordo com Maurice Duverger, existem basicamente dois tipos de Semipresidencialismo. Um é sob o sistema premiê-presidente, no qual o presidente escolhe o primeiro-ministro, mas apenas o Parlamento pode removê-lo do cargo. Países como França e Portugal possuem esse modelo.

Já sob o modelo presidente-premiê, o presidente escolhe o primeiro-ministro, mas precisa de apoio parlamentar para isso. Para remover um primeiro-ministro, tanto o presidente quanto a maioria parlamentar possuem poder para isso. O maior país a adotar esse regime é a Rússia.

 

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km