Edição nº 1057 16.02 Ver ediçõs anteriores

O que fazer com tanto dinheiro?

O que fazer com tanto dinheiro?

Na semana passada, a Apple divulgou um número que deixou o mundo corporativo de queixo caído. A empresa, comandada por Tim Cook, tem US$ 256,8 bilhões em caixa. Isso mesmo! Convertendo para a moeda brasileira, seriam R$ 817,4 bilhões. De acordo com a consultoria de dados financeiros Economática, com esse dinheiro todo, a Apple poderia comprar a Ambev (US$ 92,6 bilhões), o Itaú (US$ 76,6 bilhões), o Bradesco (US$ 59,3 bilhões), a Telefônica Brasil (US$ 23,5 bilhões) e ainda sobrariam US$ 4,8 bilhões na conta.

(Nota publicada na Edição 1017 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Cláudio Gradilone, Hugo Cilo e Márcio Kroehn)


Mais posts

Bolsonaro come pelas beiradas

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que assinou um termo de compromisso com o nanico Partido Social Liberal (PSL) para se [...]

Frase da semana

“Não estávamos preparados” Luiz Fernando Pezão, governador do Rio de Janeiro, sobre a falha no planejamento da segurança durante o [...]

O trunfo da Movida

Discretamente, a Movida, segunda maior empresa de locação de veículos do Brasil com uma frota de 75 mil carros, começa a testar um [...]

Conexão Brasil-Portugal

Um dos consultores mais procurados no universo do luxo brasileiro tem pegado carona na evolução do mercado português. “Há dez anos, [...]

A diferença está nos detalhes

Uma alteração na redação do texto da reforma da Previdência facilita mudanças futuras na idade mínima para aposentadoria. Em vez de incluir no texto constitucional a fórmula que aumenta gradualmente a barreira mínima, como no projeto original, o substitutivo apresentado no início deste mês prevê que as alterações serão feitas por meio de lei. O […]

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.