Economia

O que é desaceleração econômica e como ela pode afetar seu bolso

Crédito: Chris S/Pixabay

Desaceleração econômica: o fenômeno impacta toda a sociedade (Crédito: Chris S/Pixabay)



Na semana passada o Copom elevou a taxa básica de juros do Brasil, a Selic, a 12,75%, maior valor em 5 anos. De olho nos dados inflacionários, que não desaceleram muito em função da guerra na Ucrânia e dos problemas na cadeia de suprimentos ainda sofrendo com a Covid-19, o Banco Central apontou na Ata divulgada nesta terça-feira (10) que teme por uma desaceleração econômica e vai promover mais um ajuste significativo nos indicadores.

A Selic vive um rali iniciado há um ano, quando saiu do patamar de 2% em março de 2021 para os atuais 12,75%. A tentativa do BC com o aperto monetário é controlar a inflação – o IPCA-15 fechou abril em 1,73%, maior registro para o mês desde 1995, e a inflação está acumulada em 12,03% nos últimos 12 meses, maior registro desde 2003 –, porém o efeito dessa política ainda está longe de se concretizar no bolso do consumidor.

+ Comunicado veio um pouco mais duro, diz Megale sobre decisão do Copom

Juros altos

Na prática, os juros em alta dificultam o acesso aos empréstimos, financiamentos e ao crédito, bem como encarece o parcelamento da fatura do cartão de crédito, por exemplo. Ou seja, o dinheiro fica mais caro porque o BC está controlando a sua circulação. E com uma inflação pressionando o seu bolso ao mesmo tempo, o poder de compra cai, forçando uma diminuição na demanda. É um mecanismo clássico (nem sempre eficiente) para tentar segurar a inflação.



Série histórica da Selic desde 2019
Série histórica da Selic desde 2019 (Crédito:Febraban)

“Isso faz com que as famílias diminuam o consumo, o que por sua vez tende a reduzir a demanda por bens e serviços na economia. Essas mudanças na taxa Selic nada mais são do que um mecanismo que o Banco Central usa para transmitir uma mudança no comportamento econômico”, disse Letícia Puttini, assessora de investimentos na iHUB Investimentos e embaixadora da XP.

Agentes econômicos como a Federação das Indústrias de Minas Gerais (FIEMG) e a Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) já reclamam da política contracionista adotada pelo Banco Central, seguida neste mês pelos Estados Unidos e pelos principais países da União Europeia. A leitura é de que as famílias estão endividadas, com o poder de compra afetado e o consumo andando de lado.

Por outro lado, investidores em renda fixa celebram como nunca a Selic pagando acima da inflação.


O que esperar para os juros nos próximos meses?

Economista e especialista em alocação de investimentos da Warren, Carlos Macedo lembra que os setores Indústria, Varejo e Serviços são os grandes prejudicados nessa guerra inflacionária que atinge o mundo inteiro.

A Indústria lida com a falta de suprimentos e uma longa crise na produção de bens, além de lidar com problemas na distribuição por conta do preço dos combustíveis, enquanto o Varejo sofre com a queda no tíquete médio das compras e o setor de Serviços lida com a ressaca da injeção de dinheiro promovida pelos auxílios na pandemia, em boa parte encerrados neste momento.

“O Banco Central quer reduzir um pouco a demanda para desacelerar a inflação prospectiva, porque através da estabilidade de preços é que a gente vai ter uma recuperação econômica um pouco sólida”, explica Macedo.

Nesse sentido, a Ata da última reunião do Copom sinaliza, de acordo com o economista, que o BC está atento ao desgaste promovido na economia brasileira e vai testar as implicações desses apertos. Esperava-se que a alta dos juros passada seria a última promovida pelo órgão, no entanto o próprio Copom já disse que será necessário subir mais um pouco na próxima reunião de junho.

“Dados os novos choques, tanto com a Covid na China e o conflito geopolítico que aconteceu na Rússia e na Ucrânia, o Banco Central falou ‘vou estender um pouquinho mais o ciclo da política monetária, já que tiveram esses novos choques, mas vou estar atento aos próprios indicadores para ver se o que eu já subi é suficiente’”, completou.






Tópicos

2022 focus ações ações do magazine luiza alta da taxa Selic alta dos combustíveis alta dos juros Aperto monetário aplicação de recursos na bolsa ata do copom inflação ata do copom Selic Até quando o dólar vai seguir abaixo dos R$ 5? atividade economia EUA mercado financeiro Brasil Atuariais e Financeiras B3 Banco Central banco central norte-americano Banco Original BC BC vende dólares bens primários Biden novos preços combustíveis EUA bitcoin BMG bolsa Bolsa de Valores bolsas mundiais em tempo real bolsas norte-americanas Bolsonaro ações Bolsonaro ajuste fiscal Bolsonaro bolsa de valores bolsonaro capital externo bolsonaro desmandos economia bolsonaro guedes voz economia Bolsonaro insegurança econômica Bolsonaro investimentos bovespa hoje calendario dólar câmbio ata do copom câmbio Auxílio Brasil câmbio aversão a risco câmbio FED Câmbio Guedes fura teto câmbio hoje câmbio inflação IPCA câmbio ômicron câmbio outubro câmbio pec dos precatórios câmbio previsão câmbio teto de gastos guedes câmbio ucrânia card3 Carlos Macedo Carlos Macedo warren carry trade carry trade dólar Comitê de Política Monetária commodities Como a inflação dos Estados Unidos afeta os negócios brasileiros? Como comprar dólar? Como está a bolsa hoje? Como ficou o dólar hoje? como se faz a cotação do dólar como se mede a inflação nos Estados Unidos? comprar dólar paralelo confiança crediário EUA Consumer Price Index consumidor contas do governo contas do governo 2021 contas do governo primeiro semestre contas do governo projeção Copom Copom dólar copom IPCA Cotação Cotação do dólar cotação dólar hoje banco central cotação ethereum dólar cotação internacional cotação oibr3 decisão aperto monetário Fed quarta 4 de maio 2022 déficit primário desaceleração econômica desaceleração econômica impacto desaceleração impacto cidadão desaceleração impacto famílias devo comprar dólar agora? dexp3 diretor de câmbio da Ourominas discurso de Powell divisa divisa acumula queda divisas dólar dólar agora dólar amanhã dólar ata do copom dólar bolsonaro dólar bovespa Dólar cai Dólar canadense dólar comercial economia 2021 economia brasil 2022 análise economia brasil 2022 expectativas economia futuro economia guedes Economia mentiras Bolsonaro Economia metas verdade economia projeções 2022 Economia promessas mentiras EUA mercados brasil expectativa FED 2022 FED 2021 Jerome Powell FED aumenta juros FED controle da inflação EUA FED controle monetário EUA FED inflação 2022 FED política fiscal FED preços Estados Unidos FEDE jerome Powell federal Reserve juros EUA março 2022 focus juros gastos consumidores EUA março gastos do setor público gastos governo 2021 guedes e o futuro econômico Guedes fica até quando? guedes sabe o que faz? ihub investimentos Impacto do aumento juros FED emergentes 2022 inflação inflação americana inflação EUA 2022 inflação EUA alta dos juros e redução do estoque de moeda inflação EUA inflação brasil inflação EUA março 2022 inflação EUA março 2022 combustíveis inflação EUA março 2022 petróleo investimentos semana Jerome Powell ativos digitais relução criptomoedas FED Federal reserve juros juros James Bullard fed St. Louis juros nominais Letícia Puttini Letícia Puttini ihub ministro da economia vai cair? o que é aperto monetário o que é desaceleração econômica o que é o Federal Reserve o que move o mercado política monetária por parte do Federal Reserve 2022 precatórios 2022 preços ao consumidor EUA março 2022 preços dos combustíveis nos Estados Unidos preços EUA pagamentos parcelados preços inflação estados unidos Presidente mente economia produção de petróleo Estados Unidos projeção política monetária Estados Unidos 2022 seguro desemprego EUA março 2022 Selic super quarta fed Warren