Edição nº 1147 18.11 Ver ediçõs anteriores

“O que destruiu a Venezuela não foi o socialismo, mas a mistura de nacionalismo com corrupção”

Maria Teresa Belandria, embaixadora da Venezuela no Brasil

“O que destruiu a Venezuela não foi o socialismo, mas a mistura de nacionalismo com corrupção”

No próximo dia 21, um grupo de economistas, empresários e diplomatas venezuelanos apresentará em São Paulo o chamado “Plano País”, uma espécie de manual de reconstrução da Venezuela para quando Nicolás Maduro deixar o poder. O documento apresentará, basicamente, onde estão as oportunidades de investimento no país vizinho, com sua economia destruída. Uma das autoras do documento, a embaixadora da Venezuela no Brasil, Maria Teresa Belandria, afirma que haverá a necessidade de mais de US$ 1 trilhão para restaurar a atividade dos principais pilares da economia.

Quais são áreas que mais necessitam de investimento na Venezuela?
Agronegócio, mineração, petróleo, logística, energia. O país está completamente destruído. Falta comida. Metade da Venezuela está no escuro. Os governos de Hugo Chávez e Nicolás Maduro acabaram com praticamente todas as atividades econômicas. Tudo ficou devastado. Assim que esse governo terminar, “o dia depois de amanhã” terá tudo para ser reconstruído.

Em qual setor a situação é mais grave?
O agronegócio é, com certeza, onde as necessidades são mais urgentes. Vamos precisar de alimentos. Temos muita terra que não produz nada. Mas também está faltando gasolina. A produção de petróleo, atualmente, fica entre 500 e 700 barris por dia. Em 1999, a produção era de 3,9 milhões de barris diariamente. As sanções impostas pelos Estados Unidos atingiu em cheio o coração do regime Maduro. Nem mesmo Rússia, Turquia e China, que são antigos aliados, estão deixando de comprar petróleo do país.

Qual a garantia para o investidor que quiser colocar dinheiro no país?
O Plano País prevê garantias jurídicas sólidas para o investidor estrangeiro. Sabemos que essa segurança será fundamental para atrair os mais de US$ 1 trilhão necessários para reconstruir a Venezuela. Estimamos que apenas o setor de petróleo demandará mais de US$ 35 bilhões para recuperar, dentro de 5 anos, a produção plena.

(Nota publicada na Edição 1142 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Cheiro de bons negócios

Um estudo inédito da consultoria PwC, encomendada pela International Fragrance Association (Ifra), mostra que a indústria brasileira de fragrâncias movimenta € 222 milhões (cerca de R$ 1 bilhão) por ano, impulsionada pelo crescente consumo de produtos cosméticos e de perfumaria. Em todo o mundo, o setor gera receita de € 7,2 bilhões (algo próximo a […]

Aposta pernambucana

O primeiro outlet de Pernambuco, o Recife Outlet Premium, previsto para inaugurar em outubro de 2020, já está com 50% de seu espaço [...]

O profissional do futuro

Para garantir a empregabilidade, os profissionais do futuro devem combinar familiaridade com as inovações tecnológicas, habilidades comportamentais e capacidade analítica. Isso porque a transformação digital e os avanços da tecnologia em todas as áreas e indústrias têm aumentado a competitividade das empresas, a disputa por vagas de trabalho e a exigência do aprendizado contínuo. De […]

Quem tem medo do canabidiol?

A decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) de empurrar para frente a decisão sobre a regulamentação do canabidiol para uso como medicamento está gerando revolta na comunidade médica. Para a engenheira química Neide Montesano, presidente da Associação Brasileira de Marcas Próprias, existe muito desconhecimento em torno da sustância, associando a molécula à maconha. […]

Da borracha às Máquinas

Uma das mais conhecidas empresas de borracha do país e líder mundial em reforma de pneus, a gaúcha Vipal vai apostar no mercado de [...]
Ver mais