“O que destruiu a Venezuela não foi o socialismo, mas a mistura de nacionalismo com corrupção”

Maria Teresa Belandria, embaixadora da Venezuela no Brasil

“O que destruiu a Venezuela não foi o socialismo, mas a mistura de nacionalismo com corrupção”

No próximo dia 21, um grupo de economistas, empresários e diplomatas venezuelanos apresentará em São Paulo o chamado “Plano País”, uma espécie de manual de reconstrução da Venezuela para quando Nicolás Maduro deixar o poder. O documento apresentará, basicamente, onde estão as oportunidades de investimento no país vizinho, com sua economia destruída. Uma das autoras do documento, a embaixadora da Venezuela no Brasil, Maria Teresa Belandria, afirma que haverá a necessidade de mais de US$ 1 trilhão para restaurar a atividade dos principais pilares da economia.

Quais são áreas que mais necessitam de investimento na Venezuela?
Agronegócio, mineração, petróleo, logística, energia. O país está completamente destruído. Falta comida. Metade da Venezuela está no escuro. Os governos de Hugo Chávez e Nicolás Maduro acabaram com praticamente todas as atividades econômicas. Tudo ficou devastado. Assim que esse governo terminar, “o dia depois de amanhã” terá tudo para ser reconstruído.

Em qual setor a situação é mais grave?
O agronegócio é, com certeza, onde as necessidades são mais urgentes. Vamos precisar de alimentos. Temos muita terra que não produz nada. Mas também está faltando gasolina. A produção de petróleo, atualmente, fica entre 500 e 700 barris por dia. Em 1999, a produção era de 3,9 milhões de barris diariamente. As sanções impostas pelos Estados Unidos atingiu em cheio o coração do regime Maduro. Nem mesmo Rússia, Turquia e China, que são antigos aliados, estão deixando de comprar petróleo do país.

Qual a garantia para o investidor que quiser colocar dinheiro no país?
O Plano País prevê garantias jurídicas sólidas para o investidor estrangeiro. Sabemos que essa segurança será fundamental para atrair os mais de US$ 1 trilhão necessários para reconstruir a Venezuela. Estimamos que apenas o setor de petróleo demandará mais de US$ 35 bilhões para recuperar, dentro de 5 anos, a produção plena.

(Nota publicada na Edição 1142 da Revista Dinheiro)

Veja também

+ Receita abre consulta a segundo lote de restituição de IR, o maior da história
+ Homem encontra chave de fenda em pacote de macarrão
+ Baleias dão show de saltos em ilhabela, veja fotos!
+ 9 alimentos que incham a barriga e você não fazia ideia
+ Modelo brasileira promete ficar nua se o Chelsea for campeão da Champions League
+ Cuide bem do seu motor, cuidando do óleo do motor
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança


Mais posts

Banco digital para os de memória curta

Aplicativo do cartão de crédito, do programa de fidelidade, da conta bancária, da corretora de investimentos… Se antes o problema [...]

Fala que o robô te escuta

Nunca se falou tanto com robôs quanto na pandemia. Um levantamento da Deep Center, empresa de TI e Inteligência Artificial, mostra que houve uma redução de 15% do número de atendentes humanos ativos dentro de 98% dos contact centers no Brasil. Enquanto isso, foi registrada uma alta de 83% no volume de chamadas provenientes de […]

A estranha fórmula do Starbucks

A operação brasileira da rede Starbucks dá sinais contraditórios sobre seus planos no País. Durante a pandemia, com grande parte das [...]

Na crise, até barco é virtual

A pandemia da Covid-19 vem mudando o lazer dos consumidores e os negócios, inclusive no setor náutico. Em tempos de isolamento social, [...]

“O consumidor será mais cauteloso”

O economista Luis Eduardo da Costa Carvalho, fundador e presidente do conselho da Lecca Financeira e Investimentos, assume em agosto a [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.