Giro

O que causa nossa queda na imunidade contra o Covid-19?

Crédito: Reprodução/Unsplash

Para manter uma proteção durável contra o vírus, os cientistas estão trabalhando dia e noite para desenvolver vacinas de próxima geração (Crédito: Reprodução/Unsplash)



À medida que ondas de novas variantes de coronavírus circulam pelo mundo, uma coisa ficou clara: a imunidade humana contra o vírus desaparece com o tempo.

Para manter uma proteção durável contra o vírus que causa o Covid-19, os cientistas estão trabalhando dia e noite para desenvolver vacinas de próxima geração. Mas algumas das nuances sobre por que e como a imunidade contra o Covid-19 desaparece permanecem um mistério.

+ Brasil aplicou mais de 93 milhões de doses de reforço contra covid

As quedas mais acentuadas na imunidade – que ocorrem cerca de quatro a cinco meses após a vacinação e até oito meses após a infecção, mas podem variar – são contra os sintomas do Covid-19, contrair infecções e adoecer. A proteção contra desfechos graves, hospitalização e morte permanece muito maior por um longo período de tempo, mas mesmo isso diminui em algum grau, especialmente para os idosos e aqueles com função imunológica comprometida.



Desde os primeiros dias da pandemia, os cientistas sabem que o coronavírus carrega uma estrutura chamada proteína spike e usa essa coroa de espinhos para entrar nas células que ataca. Nossas vacinas Covid-19 criam anticorpos para essas proteínas de pico que se ligam aos locais de ancoragem do vírus, impedindo-os de infectar nossas células.

No entanto, nossa rede de segurança contra o vírus está se esgotando, em parte porque o vírus está mudando como um fugitivo vestindo um disfarce – pegando mutações que mudam a forma de seus picos de maneiras que o tornam menos reconhecível pelo nosso sistema imunológico.

Mas há outra peça do quebra-cabeça da imunidade que os cientistas estão tentando resolver com urgência, e é se parte dessa queda em nossa proteção pode ser resultado da tecnologia de mRNA usada para construir algumas vacinas Covid-19, como as desenvolvidas por Moderna e Pfizer/BioNTech, que foram as primeiras no mundo a utilizar esta plataforma.


“Algumas plataformas de vacinas oferecem um alto grau de proteção, mas a durabilidade não é muito longa”, disse o Dr. Anthony Fauci, diretor dos Institutos Nacionais de Alergia e Doenças Infecciosas.

Fauci disse que a plataforma de mRNA pode ser uma delas. Em ensaios clínicos, as novas vacinas de mRNA provaram ser surpreendentemente boas para proteger as pessoas contra doenças, hospitalizações e mortes, pelo menos a curto prazo. Fauci disse que as vacinas de mRNA também têm outras vantagens. É relativamente rápido e fácil redesenhá-los para melhor proteção contra novas variantes, por exemplo.

“Conseguimos uma ótima plataforma com mRNA”, disse Fauci. “Mas vamos tentar ser melhores. Porque nossa experiência, talvez seja peculiar ao coronavírus, mas duvido, é que a durabilidade da resposta pode ser melhor.”

‘Temos que obter melhores plataformas’

Para ser justo, Fauci disse que não saberemos quanto tempo a imunidade induzida por esses tipos de vacinas pode durar até que o mRNA seja usado para fazer vacinas contra um tipo diferente de patógeno, talvez um que não mude tanto quanto o SARS-CoV- 2, o vírus que causa a Covid-19.

As respostas definitivas podem demorar anos.

Enquanto isso, ele disse, mal podemos esperar. Precisamos melhorar as vacinas se quisermos manter o Covid-19 sob controle.
“Temos vacinas muito boas, mas precisamos obter melhores plataformas e imunógenos, talvez com adjuvantes que nos permitam ter uma maior durabilidade da proteção”, disse Fauci. Os adjuvantes são ingredientes extras nas vacinas que os ajudam a funcionar melhor.
Outros especialistas concordam.

Deepta Bhattacharya dirige um laboratório na Universidade do Arizona, onde estuda a vida útil das células plasmáticas, um tipo de célula duradoura que produz anticorpos protetores. Ele também está interessado em como várias tecnologias de vacinas influenciam a persistência dessas células em nossos corpos.

O que podemos dizer após mais de um ano de experiência com as vacinas de mRNA é que sua proteção começa alta, mas parece desaparecer mais rapidamente do que a imunidade que permanece após uma infecção por Covid-19, segundo Bhattacharya.

Em um grande estudo com mais de 35.000 profissionais de saúde no Reino Unido, em comparação com aqueles que não foram vacinados, aqueles que receberam duas doses da vacina mRNA da Pfizer/BioNTech tiveram cerca de 85% menos probabilidade de contrair uma infecção por Covid-19, por meio de cerca de dois meses e meio após a segunda dose. Mas em seis meses e meio, essa proteção contra a infecção caiu para cerca de 51%.

O período de acompanhamento do estudo foi entre 7 de dezembro de 2020, quando as vacinas foram administradas pela primeira vez aos profissionais de saúde no Reino Unido, até 21 de setembro de 2021, portanto, não inclui infecções por Omicron.

Os profissionais de saúde com duas doses da vacina de vetor adenoviral Astrazeneca tiveram cerca de 58% menos probabilidade de contrair uma infecção por Covid-19 em comparação com aqueles que não foram vacinados, cerca de dois meses e meio após a vacinação, mas a eficácia dessa vacina pareceu diminuir. aumentar ao longo do tempo, reduzindo o risco de infecção em mais de 70% cerca de sete meses após uma segunda dose.

Os profissionais de saúde que contraíram uma infecção por Covid-19, a maioria deles ocorrendo em março de 2020, antes da era das vacinas, tinham inicialmente cerca de 86% menos probabilidade de serem reinfectados, e essa proteção durou até um ano. Depois de um ano, caiu para cerca de 69% em trabalhadores que não foram vacinados, o que ainda era melhor do que a proteção apenas com vacinas de mRNA.

Os trabalhadores que pegaram Covid-19 e passaram a ser vacinados tiveram a melhor proteção de todas, risco mais de 90% menor de contrair Covid-19 novamente, e essa proteção combinada permaneceu alta durante a duração do estudo, que foi mais do que 9 meses.

Essas evidências e outros estudos, disse Bhattachayra, sugerem que nossa imunidade contra o Covid pode ser ajustada para durar mais.

“Acho justo pedir mais de nossas vacinas e que elas mantenham essa proteção por mais tempo”, disse Bhattachayra.

“Acho que ainda há muito claramente espaço para melhorias porque existem certas vacinas que se saem melhor” em termos de durabilidade, disse ele. “Não há dúvida sobre isso.”






Tópicos

4ª dose combate o quê? 4ª dose israel 4ª dose necessária 4ª dose vacinas 4ª onda 4ª onda de covid no Brasil a pandemia acabou? adolescentes adolescentes e crianças covid África África do Sul aglomerações álcool 70 Alemanha flexibilizações restrições alta testes positivos covid Ana Helena Germoglio Anderson Brito anticorpo monoclonal anticorpos covid sintomas anticorpos infectados nova infecção anticorpos monoclonais Anvisa anvisa covid-19 assintomática omicron assintomatico transmite omicron astrazeneca trombose atraso das notificações aumento aumento de casos aumento positividade aumento testes positivos covid autoteste coronavírus autotestes covid-19 avanço da vacinação contra a Covid-19 avanço do coronavírus AVCBA.1BA.2 baixíssimos índices de imunização bolsões na África Bolsonaro BRASILCAPITAL MUNDIAL DA VACINA capital paulista casos Cepa colombiana cepa colombiana é mais letal? cepa delta chikungunya china aprova tratamento chuvas cidade de São Paulo CIÊNCIACIRCULAÇÃO VIRAL cobertura vacinal cobertura vacinal completa Como ocorre a transmissão da COVID-19? congestão nasal consórcio consórcio de veículos de imprensa conter o avanço do coronavírus coração coriza coronavírus coronavírus alimentação coronavírus animais coronavírus estudos coronavírus soja corticoides covid covid covid alta testes positivos covid anticorpos covid antiviral medicamento covid deixa sequelas? covid em idosos covid longa covid longa omicron covid medicamentos covid no brasil covid no País covid passa para animais covid remédios covid restrições covid risco cardíaco covid tratamento covid tratamentos Covid variantes Covid-19 covid-19 alta testes positivos covid-19 brasil covid-19 brasil 2022 covid-19 casos brasil covid-19 recorde brasil crianças de 5 a 11 anos cuidados DASADB MOLECULA Delta dengue descuida diretor da Fundação Oswaldo Cruz Diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações disseminação da BA.2 doença infectocontagiosa doenças doenças virais dor de cabeça dor de garganta dor muscular dor no corpo dose de reforço dose única doses de vacinas doses de vacinas contra a covid-19 efeitos permanentes eficácia da vacina endemia especialistas espirros Estados Unidos estudo Londres europa ainda tem restrições? evitar aglomerações fadiga falta de ar febre fim da emergência sanitária fim da pandemia Fiocruz flexibilização nas medidas de segurança Fortes chuvas Fundação Oswaldo Cruz gama gorilas com covid hábitos hábitos de prevenção do coronavírus HEALTH GROUP higiene Higiene Pessoal hospitalizações identificar idosos idosos têm que tomar 3ª dose? impacto global impacto global da nova variante imprensa imunidade populacional imunização imunizados imunizados naturais imunizados têm que usar máscaras índices de casos índices de imunização infecção infecções infectados imunizados infectologista infectologista Ana Helena Germoglio infectologista e professora da Universidade Estadual de Campinas infectologistas influenza Instituto Butantan Instituto Todos pela Saúde ITpS King College lentidão vacinação Rússia letargia Londres Luiz Carlos Zamarco mal estar Marcelo Queiroga máscara máscara de proteção máscara vacina máscaras vacina OMS medicamento anticovid MSD dinamarca medicamento MSD covid medicamentos para covid omicron medidas medidas de segurança morador da capital paulista mortes mortes causadas pela doença mortes por covid-19 mosquito Aedes aegypti nariz entupido notificações por mortes nova onda de pandemia nova variante novas variantes novas variantes no mundo número de casos O que é a subvariante BA 2 do COVID-19? o que é ômicron xe? o que é trombose o que funciona covid O que tomar para a variante Ômicron da COVID-19? óbito zero omicron Ômicron BA.2 omicron quantos dias de isolamento Ômicron reinfecção ômicron subvariante ômicron xe OMS organização mundial da saúde pandemia pandemia ressurge perda de olfato perda de paladar pesquisador científico do ITpS pets têm covid? pilula contra covid pode haver duas infecções diferentes população acima de 18 anos População brasileira população completamente imunizada população paulistana população se descuida positivos posso me infectar depois de vacinado? Posso não apresentar sintomas da COVID-19 PRAIAS RIO RESTRIÇÕES prevenção do coronavirus Prevenir primeira dose primeira dose adicional primeiro dia sem mortes causadas pela covid-19 primeiros sintomas omicron principais sintomas da ômicron principais sintomas ômicron problema do coração professor de Medicina na Universidade Federal de São Carlos pronunciamento quadros leves quais os sintomas da omicron a nova variante Quais são os principais cuidados para evitar a contaminação familiar de COVID-19? Quantos dias para aparecer os sintomas da Omicron? quantos faltam vacinar? quantos vacinados tem o Brasil? quarta onda covid quarta onda covid-19 que alimentos inibem o coronavírus Que máscara uma pessoa que suspeita ter COVID-19 deve usar? Quem deve seguir usando máscara? quem deve tomar 3ª dose? RAQUEL STUCCHI recomendações recomendações dos especialistas recorde casos covid-19 redução nas mortes regiões do Brasil reinfecção reinfecção coronavírus reinfeccao omicron Reino Unido remédios para covid omicron Renato Kfouri responsável pela análise ressurgimento de pandemia Ribeirão Preto RIO AFROUXA RESTRIÇÕES risco cardíaco risco de de doenças virais RJ restrições Rodrigo Stabeli Rússia Rússia confinamento Rússia recorde de mortes São Paulo SARS-CoV-2 saúde saúde no Brasil SBIm secretaria municipal de saude secretário municipal da Saúde de São Paulo segunda dose segunda dose adicional segunda dose da vacina sequelas covid sinais e sintomas da omicron sintomas sintomas da dengue sintomas da omicron em vacinados sintomas de gravidez sintomas ômicron sintomas pós covid omicron Sociedade Brasileira de Imunizações Stabeli subavirante ômicron sublinhagem Ômicron BA.2 sublinhagens BA.1 e BA.2 subvariante subvariante BA.2 super imunes covid superanticorpo superimunes covid superimunes genes surgimento novas variantes no mundo taxa de população completamente imunizada teste covid farmacia testes testes positivos para vírus testes positivos vírus covid tosse transmissão adolescentes crianças tratamento anticorpos monoclonais china tratamento covid longa Sus tratamento para covid omicron tratamento pós-covid Sus tratamento sequelas covid sus tratamentos tratar as doenças trombose vacina idosos Ufscar Unicamp united uso de máscara vacina 3ª dose vacina da Pfizer vacina duas doses protege mais que a de dose única? vacina já sp vacina reinfecção vacina risco de trombose vacina sp 3 dose vacina sp astrazeneca vacina sp cadastro vacina sp calendario vacina sp fila vacina sp idade vacina sp locais vacina sp pfizer vacina sp sabado vacina sp terceira dose vacina trombose vacinação vacinação adolescentes vacinação contra a covid-19 vacinação nacional vacinados infectados imunidade variante delta variante delta países variante delta volta variante gama Variante gama é perigosa? variante gama Manaus Variante Gamma variante omicron ba 2 variante omicron é mais letal variante omicron letalidade variante omicron mortes variante omicron no brasil variante omicron no brasil sintoma variante omicron sintomas variante omicron sp variante omicron vacina variantes verão virologista virologista Anderson Brito vírus vírus da influenza vírus pandêmico vírus recombinante vítimas vítimas do vírus zika