Edição nº 1092 19.10 Ver ediçõs anteriores

O que Brasília ainda pode fazer pelo Brasil

O que Brasília ainda pode fazer pelo Brasil

Existe um Brasil que teima em crescer e prosperar, apesar de Brasília obrigá-lo a patinar de tempos em tempos. É o Brasil dos cidadãos comprometidos com o desenvolvimento do País, com o avanço social e econômico, custe o que custar. É o Brasil dos investidores em projetos de longo prazo, dos empresários e executivos visionários e inovadores, dos trabalhadores perseverantes e sonhadores, dos educadores obstinados. É o Brasil dos loucos resilientes que, quando caem diante das crises mais profundas, recusam-se a sucumbir à crueza de nossas mazelas políticas e financeiras, levantam-se e dão a volta por cima.

É este Brasil que volta a prevalecer depois de três anos de recessão e baixo astral, que teima em impulsionar o PIB, apesar dos ventos contrários da corrupção e do clientelismo, apesar do clima de incerteza gerado pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff e das denúncias contra seu sucessor, Michel Temer. Esse Brasil otimista, que olha além deste ano e de 2018, aposta que o próximo governo irá manter o rumo da estabilização econômica e garantir o poder de compra da nossa jovem moeda, o real.

O Brasil pós-Lava Jato será muito melhor que o atual, acreditam os que têm fé numa Nação mais desenvolvida e justa para todos. Mas há riscos enormes nesse caminho, e todos passam por Brasília. Nos próximos dias, os deputados irão decidir se aceitam ou não a segunda denúncia contra Temer, acusado de participar de organização criminosa e de obstrução de Justiça. O presidente, grampeado pelo empresário Joesley Batista, dono da JBS, numa controversa operação da Procuradoria-Geral da Justiça, nega as acusações e acredita que terá os votos suficientes dos congressistas da base aliada para barrar a tramitação do processo, que também inclui os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco.

Se vencer, como se espera – o voto do relator do processo, deputado tucano Bonifácio Andrada, foi contrário ao prosseguimento da denúncia –, o presidente poderá continuar no cargo, mas terá seu reencontro com a Justiça após descer a rampa do Palácio do Planalto, quando voltará a ser um cidadão comum e sem foro privilegiado. O risco, aqui, é que todo esse processo paralise novamente a tramitação das reformas econômicas enviadas ao Congresso para garantir a sustentabilidade das contas públicas no longo prazo, como a da previdência. Os representantes do povo não podem deixar para 2018 – um ano de paralisia eleitoral – para fazer o que é necessário.

Eles precisam agir, e rápido, pois têm nas mãos a responsabilidade de conter o crescimento do déficit público e da dívida federal, que ameaça passar de 100% do PIB se não vingarem as medidas de controle fiscal. Eles têm nas mãos a responsabilidade de aumentar a eficiência da economia aprovando uma estrutura tributária menos insana e mais justa. Caso contrário, o medo do calote da previdência e da dívida pública poderá assombrar novamente a economia. Com a desordem nas contas públicas, que irá minar o real e realimentar a inflação, o pessimismo tende a prevalecer sobre o otimismo no médio prazo. O Brasil que teima em crescer e prosperar continuará trabalhando e investindo, mas o sonho de um País melhor poderá ser adiado novamente.

(Nota publicada na Edição 1040 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O refugo do mercado

Nem tudo são flores na lua de mel do mercado com o presidenciável de ultradireita Jair Bolsonaro. A fala dele, dias atrás, avisando [...]

A banca em festa

O mercado comprou Bolsonaro. Os números e tendências mostram isso. Contabilizada a larga margem de vantagem do capitão reformado nas [...]

Brasil, novo vilão para Trump

Sobrou para o Brasil. Estava até demorando. O incontrolável presidente americano Donald Trump, durante entrevista sobre o Nafta – [...]

O estelionato das propostas eleitorais

O novo temor na praça é o risco de um estelionato eleitoral. Investidores, banqueiros, empresários, todos temem o vendaval de [...]

O rugido de Trump

O urso polar norte-americano, Donald Trump, rugiu mais uma vez em tom de ameaça. Partiu para cima dos chineses. Impôs uma [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.